Tratamento Acupuntura

Imprimir Por Administrador 12/11/2007

MENSAGEM PARA 2017

Prezado (a) Amigo (a), como vai?
Chamo-me RODOLFO CORREA LIMA e sou Presidente do CECTH ‚Äď Centro de Estudos do Corpo e Terapias Hol√≠sticas S/C Ltda.
Faço um convite para que venha conhecer nossa empresa.




Saiba mais, clique no link



PERGUNTAS MAIS COMUNS SOBRE ACUPUNTURA

1.O QUE √Č ACUPUNTURA?

RESPOSTA: A acupuntura é uma técnica de tratamento que consiste no estímulo de pontos determinados da superfície da pele. Podem ser utilizados neste processo agulhas, ventosas, massagens, e até o calor proveniente da queima da moxa, preparada à partir da erva artemísia (moxabustão).

2.QUANDO E ONDE SURGIU?

RESPOSTA: Possivelmente antes da era crist√£, na China. Para alguns historiadores, as agulhas de acupuntura seriam o resultado da evolu√ß√£o das lancetas usadas para perfurar bolhas ou p√ļstulas. Para outros, a pr√°tica da acupuntura teria se iniciado a partir da experi√™ncia corriqueira de massagearmos o local dolorido para fazer passar a dor. De qualquer maneira, as evid√™ncias arqueol√≥gicas n√£o nos permitem ter certeza quanto ao processo de forma√ß√£o do corpo de conhecimentos da acupuntura. Da China, ela se espalhou por v√°rios pa√≠ses da √Āsia, adquirindo caracter√≠sticas peculiares √† cultura da regi√£o onde se estabelecia. No Jap√£o, por exemplo, as agulhas s√£o mais finas, se d√° mais aten√ß√£o √† palpa√ß√£o do abdomen, mas os princ√≠pios b√°sicos de diagn√≥stico e tratamento s√£o sempre os mesmos.

3.PARA QUE SERVE?

RESPOSTA: Al√©m dos casos de dor, v√°rios desequil√≠brios energ√©ticos funcionais podem ser tratados pela acupuntura. Dentro da concep√ß√£o chinesa, a doen√ßa √© uma manifesta√ß√£o de desequil√≠brio energ√©tico, e a acupuntura seria uma forma de readquirir a harmonia perdida. Entre os desequil√≠brios energ√©ticos trat√°veis pela acupuntura est√£o: dores em geral, especialmente do aparelho m√ļsculo-esquel√©tico, gastrite, estresse, dist√ļrbios hormonais, ins√īnia, asma, dist√ļrbios menstruais, paralisia facial, sinusite, incontin√™ncia urin√°ria. Para saber se a acupuntura √© adequada para o seu caso espec√≠fico, pergunte ao seu acupunturista.

4.POSSO MISTURAR OUTROS TRATAMENTOS COM A ACUPUNTURA?

RESPOSTA: Não é proibido associar a acupuntura a outros tratamentos. Fisioterapia, remédios alopáticos, psicoterapia, homeopatia, geralmente são beneficiados pela associação com a acupuntura, ocorrendo desde a aceleração e a facilitação de processos terapêuticos até a redução das doses dos remédios utilizados.

5.A ACUPUNTURA D√ďI?

RESPOSTA: Não deve. Eventualmente podemos acertar um nervo superficial ou um ponto mais sensível da pele, causando dor. Neste caso, deve-se informar ao Acupunturista, que corrigirá a inserção da agulha. Tratamento doloroso é quase sempre relacionado a um mau profissional.

6.H√Ā SANGRAMENTO?

RESPOSTA: Eventualmente um vaso sanguíneo pode ser atingido. Nas mãos de um Acupunturista experiente a acupuntura é isenta de riscos, logo tais sangramentos e hematomas resultantes não devem ser motivo de preocupação, pois são superficiais e ocorrem raramente.

7.QUAIS OS EFEITOS COLATERAIS DA ACUPUNTURA?

RESPOSTA: Alguns clientes podem se sentir sonolentos e relaxados após a sessão. Em certos casos pode haver a piora dos sintomas, que geralmente é seguida pela melhoria da condição do cliente. Pontos muito sensíveis podem se tornar dolorosos se manipulados em excesso, porém a dor resultante tende a melhorar com o passar do tempo.

8.A ACUPUNTURA PODE TRANSMITIR DOENÇAS?

RESPOSTA: A acupuntura é um método invasivo e, como tal, devem-se seguir as regras básicas de esterilização. Usando-se material esterilizado não há risco algum. Hoje temos agulhas descartáveis disponíveis, tornando mais prático e seguro o tratamento.

9.COMO √Č UMA SESS√ÉO DE ACUPUNTURA?

RESPOSTA: Na primeira consulta busca-se estabelecer o diagn√≥stico, tanto na vis√£o ocidental quanto na vis√£o pr√≥pria da acupuntura. Os pontos s√£o selecionados de acordo com o diagn√≥stico. Ap√≥s a limpeza da pele com √°lcool a 75¬ļ, as agulhas descart√°veis s√£o inseridas de forma indolor e deixadas no local, sendo retiradas depois de quinze minutos. Durante o per√≠odo no qual as agulhas est√£o inseridas, recomenda-se ao cliente n√£o se mover. As sess√Ķes posteriores s√£o aproximadamente iguais.

10.QUAL A PREPARA√á√ÉO NECESS√ĀRIA ANTES, E QUAIS OS CUIDADOS AP√ďS UMA SESS√ÉO?

RESPOSTA: Pede-se ao cliente que não se alimente imediatamente antes da sessão, que esteja o mais relaxado possível, e que não se banhe após a sessão de acupuntura.

11.AS AGULHAS PODEM PERMANECER NA PELE AP√ďS A SESS√ÉO?

RESPOSTA: Sim. Em alguns casos, deixa-se uma agulha pequena coberta com esparadrapo no per√≠odo entre uma sess√£o e outra, para que haja est√≠mulo do ponto durante todo este tempo. A agulha de demora, como √© chamada, pode ser molhada, recomendando-se que seja retirada ao primeiro sinal de inc√īmodo.

12.QUAL A FREQUÊNCIA DO TRATAMENTO?

RESPOSTA: Usualmente a frequ√™ncia √© de uma vez por semana, por√©m em casos agudos sess√Ķes di√°rias podem ser necess√°rias. A dura√ß√£o do tratamento √© dependente do tempo do desequil√≠brio energ√©tico: quanto mais recente, mais r√°pido o resultado. Alguns desequil√≠brios respondem mais rapidamente que outros. Como exemplo, dores lombares de origem m√ļsculo-ligamentar com menos de seis meses de dura√ß√£o exigem, em m√©dia, cinco sess√Ķes at√© o seu controle.

13.QUANDO POSSO INTERROMPER O TRATAMENTO?

RESPOSTA: Geralmente a alta acontece na aus√™ncia dos sintomas que levaram o cliente ao consult√≥rio. Em princ√≠pio sess√Ķes de manuten√ß√£o n√£o s√£o necess√°rias, mas o cliente deve retomar o tratamento se notar que os sintomas est√£o reaparecendo. Neste caso, quanto mais cedo, mais r√°pido o resultado.

14.COMO A ACUPUNTURA AGE? √Č SOMENTE UM ANALG√ČSICO?

RESPOSTA: O mecanismo de a√ß√£o da acupuntura ainda n√£o foi completamente elucidado. Sabe-se que o est√≠mulo dos pontos leva √† produ√ß√£o de subst√Ęncias que teriam a√ß√£o sobre receptores do sistema nervoso (neurotransmissores e neuromediadores), e que o resultado final seria a normaliza√ß√£o das fun√ß√Ķes alteradas. A acupuntura teria tamb√©m a√ß√£o anti-inflamat√≥ria por estimular a produ√ß√£o de cortic√≥ides pela gl√Ęndula supra-renal. A acupuntura √© mais que um analg√©sico, combatendo a dor atrav√©s da resolu√ß√£o do processo inflamat√≥rio que a causa. H√° similaridades entre os efeitos da acupuntura e os causados pela serotonina, que √© um neuromediador produzido pelo nosso c√©rebro.


A História da China reconhece períodos em que a acupuntura floresceu e outros em que estacionou. Cronologicamente, os períodos mais significativos foram:

  • 5.000 a.C. ‚Äď Nei Ching;
  • 206-220 d.C. ‚Äď apenas 1 ou 2 pontos eram usados de cada vez;
  • 960-1279 ‚Äď foi constru√≠do um modelo humano de bronze, em tamanho natural, com todos os pontos de acupuntura perfurados. Preconiza-se o diagn√≥stico do pulso sobre a art√©ria radial;
  • 1644-1911 - decl√≠nio da acupuntura;
  • 1951 - a Rep√ļblica Popular da China reconhece a acupuntura oficialmente, colocando-a em p√© de igualdade com a medicina ocidental.

No ocidente, a acupuntura só foi conhecida por volta de 1650. Até 1806, 140 autores já haviam tratado do assunto, mas nenhuma agulha havia sido utilizada. Foi somente em 1934 que foi dado, na França, o impulso definitivo na divulgação e aplicação de acupuntura. No Brasil, ela foi introduzida pelo prof. Frederico Yohan Speth, por volta dos anos 50.

A palavra acupuntura deriva do latim ACUS (agulha) e PUNCTURA (pun√ß√£o). √Č um m√©todo terap√™utico, que consiste na pun√ß√£o com pequenas e s√≥lidas agulhas, em pontos espec√≠ficos do corpo para melhorar a sa√ļde, diminuir a dor ou modificar o estado geral do cliente. Inicialmente essa terap√™utica era feita por meio de pedras pontiagudas introduzidas na pele. Posteriormente, os metais passaram a ser utilizados na acupuntura. Assim, houve a √©poca do cobre, do ouro, da prata, da platina e finalmente do a√ßo inoxid√°vel usados na fabrica√ß√£o das agulhas.

Acupuntura

Trabalhando com agulhas de
acupuntura descart√°veis.

Acupuntura

O terapeuta holístico e
Diretor/Presidente do Cecth
Rodolfo Correa Lima,
trabalhando com agulhas
de acupuntura descart√°veis.

Acupuntura

Aplicação de agulhas no cliente.

A acupuntura, agindo num plano energ√©tico, utiliza pontos sens√≠veis da pele, pelos quais se transmitem os est√≠mulos, por linhas ao longo do corpo, denominadas meridianos. As pun√ß√Ķes atuam sobre o √≥rg√£o relacionado com o meridiano, direcionando a energia ki ou energia vital, reequilibrando o campo energ√©tico do organismo. Um tratamento pela acupuntura obedece aos seguintes passos:

  1. Anamnese subjetiva e objetiva e preenchimento de uma ficha, para biotipar o cliente;
  2. Exame tradicional (auscultação, palpação, exame visual, etc.);
  3. Palpação acupuntural: palpação nos pontos de assentimento, paralelos à coluna vertebral;
  4. Tomada de pulso para verificar os órgãos que não se encontram com sua capacidade energética nivelada;
  5. Determinação do tipo de manobra a ser realizada (tonificação, sedação, dispersão ou energetização);
  6. Determinação dos pontos a serem ativados;
  7. Pun√ß√£o das agulhas, a profundidade, o n√ļmero de aplica√ß√Ķes, e o tempo que as agulhas devem permanecer durante cada sess√£o, estar√£o na depend√™ncia do caso espec√≠fico de cada cliente.

Os acupunturistas n√£o fazem diagn√≥stico pelo modelo ocidental e tamb√©m n√£o prescrevem medicamentos alop√°ticos, utilizando par√Ęmetros ocidentais. Para a Acupuntura e as terapias orientais, que se ocupam da promo√ß√£o da sa√ļde e bem estar do cliente, √© fundamental a vis√£o de que n√£o √© apenas o desequil√≠brio energ√©tico que precisa ser tratado e sim o cliente como um todo.

MERIDIANOS PRINCIPAIS

S√ćMBOLO

N¬ļ PONTOS

Meridiano dos pulm√Ķes

P

11

Meridiano do intestino grosso

IG

20

Meridiano do Est√īmago

E

45

Meridiano do Ba√ßo-P√Ęncreas

BP

21

Meridiano do Coração

C

9

Meridiano do Intestino Delgado

ID

19

Meridiano da Bexiga

B

67

Meridiano dos Rins

R

27

Meridiano da Circulação-Sexo

CS

9

Meridiano do Triplo Aquecedor

TA

23

Meridiano da Vesícula Biliar

VB

44

Meridiano do Fígado

F

14

MERIDIANOS EXTRAS

Meridiano do Vaso da Concepção

VC

24

Meridiano do Vaso Governador

VG

28

MADEIRA

FOGO

TERRA

METAL

√ĀGUA

√ďRG√ÉO

Olhos

Lingua

Boca

Nariz

Ouvidos

√ďRG√ÉO

F

C

BP

P

R

V√ćSCERA

VB

ID

E

IG

B

SENTIDO

Vis√£o

Fala

Gustação

Olfato

Audição

TECIDO

M√ļsculo

Vascular

Conjuntivo

Pele e Pêlos

Osso

SECREÇÃO

L√°grima

Suor

Saliva

Catarro

Urina

EXPRESSÃO

Grito

Riso

Canto

Pranto

Suspiro/gemido

SENTIMENTO

Reatividade

Alegria

Reflex√£o 

Ansiedade

Med

PSIQUISMO

Espírito

Vitalidade

Idéias

Subconsciente

Vontade

DIREÇÃO

Leste

Sul

Centro

Oeste

Norte

ESTAÇÃO

Primavera

Ver√£o

Início e fim
de ver√£o

Outono

Inverno

CLIMA

Vento

Calor

Umidade

Secura

Frio

COR

Verde

Vermelho

Amarelo

Branco

Escuro
preto

SABOR

Azedo

Amargo

Adocicado

Picante
apimentado

Salgado

ODOR

Rançoso

Queimado

Perfumado

C√°rneo

P√ļtrido

CARNE

Frango

Carneiro

Boi

Cavalo

Porco

Acupuntura

Localização do ponto de
acupuntura auricular com
auxílio de um Sensibilizador.

Acupuntura

Aplicação de agulha auricular
no ponto reconhecido
anteriormente.

Acupuntura

Acupuntura térmica com auxílio
da queima de artemísia na
cabeça da agulha.

YIN E YANG

A unidade Ki ou Chi manifesta-se em dois aspectos opostos e complementares: Yin e Yang, sendo que se pode dizer que Yin é o princípio negativo e Yang o positivo.

Para que haja a sa√ļde f√≠sica e mental √© necess√°rio que exista perfeito equil√≠brio e harmonia do fluxo de energia no organismo, pois o bloqueio dessa energia √© o primeiro est√°gio para se desenvolvimento de doen√ßas.

Qualquer ser vivo, fen√īmeno, objeto, etc., ocorre da inter-rela√ß√£o constante de Yin e Yang. A diversifica√ß√£o da unidade √© constitu√≠da pela manifesta√ß√£o desses dois aspectos antag√īnicos de energia, que formam um infinito de combina√ß√Ķes e constituem o universo.

A vida desenrola-se dentro de um equil√≠brio psico-bio-energ√©tico, de acordo com as leis da natureza e suas manifesta√ß√Ķes energ√©ticas, dentro da polaridade Yin e Yang. Sendo que esta oposi√ß√£o energ√©tica serve para os orientais como base para sua filosofia e terap√™utica.

Podemos citar como exemplos da polaridade de Yang e Yin na natureza:

  • O c√©u forma-se pela acumula√ß√£o de Yang. A terra por acumula√ß√£o de Yin;
  • Yin est√° sempre calmo. Yang sempre agitado;
  • Yang se transforma em energia. Yin para criar vida natural.
  • O sol e as estrelas s√£o Yang. A lua e os planetas s√£o Yin.

Yin e Yang
Tao: Yin e Yang

Podemos apresentar alguns dos diversos aspectos antag√īnicos de Yang e Yin, conforme as obras de Mann, Oshawa, Beau e Worsley.

Yang

Yin

Sol

Lua

Quente

Frio

Macho

Fêmea

Ativo

Passivo

Duro

Mole

N√ļmero √ćmpar

N√ļmero par

Primavera e ver√£o

Outono e primavera

Luz

Escurid√£o

Leve

Pesado

Sistema Nervoso Simp√°tico

Sistema Nervoso Parassimp√°tico

Fogo

√Āgua

Costas

Abdomen

Febril

Frio

Agudo

Cr√īnico

Centrípeto

Centrífugo

Vermelho

Roxo

Salgado

Amargo

ALGUNS PRINC√ćPIOS E TEOREMAS SOBRE YIN E YANG
  • Todas as coisas s√£o diferentes manifesta√ß√Ķes da unidade infinita.
  • Nada √© est√°tico, tudo muda;
  • Todos os antag√īnicos s√£o complementares;
  • N√£o h√° dois entes iguais;
  • Tudo que tem verso, tem reverso;
  • Tudo que tem come√ßo, tem fim;
  • Quanto maior o verso, maior o reverso;
  • Yin e Yang surgem continuamente da pura expans√£o infinita;
  • Yin e Yang produzem energia;
  • Yin atrai Yang e vice-versa;
  • Yin repele Yin. Yang repele Yang;
  • A for√ßa de atra√ß√£o e repuls√£o entre as coisas √© diretamente proporcional √† diferen√ßa de seus componentes Yin e Yang;
  • Todo fen√īmeno √© produzido por Yin e Yang em combina√ß√Ķes, em variadas propor√ß√Ķes;
  • Nada √© exclusivamente Yin e Yang, tudo encerra polaridade;
  • No extremo, Yin produz Yang e Yang produz Yin.
MERIDIANOS

Sabemos que os orientais defendem a teoria da existência de energia, Ki ou Chi, existindo assim o MACROCOSMO (Universo), e o MICROCOSMO (homem), além da existência de duas forças opostas, Yin e Yang, que se complementam.

Dentro desta teoria, o homem está com os pés na terra e as mãos para o céu. A terra é Yin e o céu é Yang. Os meridianos Yang são do céu e vão para a terra e os meridianos Yin são da terra e vão para o céu.

Energia Yin elevando-se da terra para o céu, pela frente do corpo.

Acupuntura

Energia Yang descendo do céu para a terra, pelo dorso do corpo.

Como estas duas tendências são opostas e complementares, atraindo-se, o homem é um transformador de energias do céu e da terra. A energia Yang do céu percorre o homem, pelo plano dorsal, e busca a terra. A energia Yin da terra percorre o homem, pelo plano ventral, e busca o céu.

Os caminhos ou linhas por onde passam a energia Ki s√£o chamados de MERIDIANOS (a energia KI desloca-se ao n√≠vel subcut√Ęneo, cujas linhas prefer√™ncias s√£o denominadas meridianos). Nestes canais imateriais condutores de energia diferenciada em variadas combina√ß√Ķes de Yang e Yin, os fluxos de energia se intercambiam alternadamente um sistema respons√°vel pela defesa, regula√ß√£o e resson√Ęncia do organismo em rela√ß√£o √†s influ√™ncias c√≥smicas. Sa√ļde implica, em primeiro lugar, na circula√ß√£o adequada da energia vital atrav√©s dos meridianos.

Para visualizarmos melhor, vamos comparar este sistema com os metr√īs urbanos subterr√Ęneos. Os pontos de shiatsu s√£o como as esta√ß√Ķes de embarque de passageiros que se ligam √† superf√≠cie.

Os meridianos seriam as linhas ou trilhos por onde passa o fluxo eletromagnético, ou energia Ki.

No corpo humano existem v√°rios tipos de meridianos, de acordo com a fun√ß√£o que desempenham. Cada meridiano √© formado por um n√ļmero de pontos que transmitem a energia em sentido e ordem sempre constantes. Existem 59 meridianos para conduzir a energia pelo corpo. Desses, 14 meridianos s√£o considerados importantes, sendo 12 principais e 2 extras, ou maravilhosos; os outros destitu√≠dos de pontos pr√≥prios, s√£o chamados de meridianos virtuais, somente se manifestando nos estados patol√≥gicos, e os meridianos de liga√ß√£o, chamados de vasos secund√°rios.

Os 12 meridianos principais s√£o pares e sim√©tricos bilaterais, respons√°veis pelo funcionamento dos ‚Äú√≥rg√£os prim√°rios‚ÄĚ. Os 2 outros meridianos s√£o √≠mpares, passam verticalmente pelo centro do corpo e t√™m como fun√ß√£o regular o fluxo de energia Ki dos outros 12 meridianos.

MERIDIANOS PRINCIPAIS

S√ćMBOLO

N¬ļ PONTOS

Meridiano dos pulm√Ķes

P

11

Meridiano do intestino grosso

IG

20

Meridiano do Est√īmago

E

45

Meridiano do Ba√ßo-P√Ęncreas

BP

21

Meridiano do Coração

C

9

Meridiano do Intestino Delgado

ID

19

Meridiano da Bexiga

B

67

Meridiano dos Rins

R

27

Meridiano da Circulação-Sexo

CS

9

Meridiano do Triplo Aquecedor

TA

23

Meridiano da Vesícula Biliar

VB

44

Meridiano do Fígado

F

14

MERIDIANOS EXTRAS

Meridiano do Vaso da Concepção

VC

24

Meridiano do Vaso Governador

VG

28

MERIDIANO DO PULMÃO

Símbolo: P
Pontos: 11
Energia: YIN
Elemento: Metal.

Fun√ß√£o: √Č de natureza Yin e apresenta-se acoplado ao meridiano do Intestino Grosso que √© Yang. Recebe energia do meridiano do F√≠gado e a transmite ao meridiano do Intestino Grosso. Comanda os Pulm√Ķes, as vias a√©reas e a pele. Corresponde as fun√ß√Ķes org√Ęnicas do aparelho respirat√≥rio tais como: absor√ß√£o, distribui√ß√£o e elimina√ß√£o de subst√Ęncias gasosas. Atua sobre todos os dist√ļrbios respirat√≥rios. Relaciona-se com ang√ļstia e o pranto.

Filtra tristeza, melancolia, nostalgia, m√°goa. Os Pulm√Ķes governam o Ki. Eles o recebem, transformam e distribuem pelo corpo; at√© a pele, para defesa, atrav√©s dos meridianos para nutrir e energizar todas as partes, e para baixo, para os outros √≥rg√£os, principalmente os Rins, onde o Ki p√≥s-natal extra se acumula em nossas reservas.

AcupunturaSe os Pulm√Ķes est√£o fracos, eles n√£o conseguem suprir Ki suficiente para a pele; as diferen√ßas clim√°ticas podem, assim, invadir o corpo pelos poros. Segundo a medicina oriental, √© assim que ‚Äúpegamos‚ÄĚ resfriados, gripes e febres e ficamos com torcicolo por causa das correntes de ar. Fraqueza cr√īnica dos pulm√Ķes geralmente produz cansa√ßo, falta de ar e palidez. Se os Pulm√Ķes n√£o podem fazer circular o Ki, ele fica acumulado, causando tosse e asma.

Outros sintomas do Pulmão podem necessitar de tratamento em mais de um meridiano; por exemplo, tosse seca, garganta irritada e pele seca geralmente exigem trabalho no meridiano dos Rins, também.

Sinais patol√≥gicos: Sensa√ß√£o de incha√ßo e de opress√£o tor√°cica. Dores na cavidade subclavicular, respira√ß√£o r√°pida, ruidosa e superficial, tosse, palmas das m√£os quentes, coriza com mic√ß√Ķes pouco abundantes, mas freq√ľentes, garganta inchada e dolorida, dores nas esc√°pulas e nas costas, dores que seguem o trajeto do meridiano no bra√ßo.

Trajeto: Começa entre as 1ª e 2ª costelas, a 8 dedos do esterno, sobe até o ombro e desce pela face anterior do braço, cruza a dobra do cotovelo lateralmente ao tendão do bíceps, segue pelo antebraço sobre o rádio e a artéria radial do pulso, entra na mão pela eminência tênar e termina no angula ungueal lateral do polegar.

MERIDIANO DO INTESTINO GROSSO

Símbolo: IG
Pontos: 20
Energia: YANG
Elemento: Metal

Fun√ß√£o: Este meridiano √© acoplado ao meridiano do Pulm√£o, recebe energia deste meridiano transmitindo-a ao meridiano do Est√īmago. Comanda o Intestino Grosso e suas fun√ß√Ķes de elimina√ß√£o de res√≠duos pesados e absor√ß√£o de l√≠quidos. Atua nos desequil√≠brios energ√©ticos da parte superior do corpo de parte superior do corpo. Relaciona-se com a tens√£o emocional.

Os Intestinos Grosso e Delgado filtram a emotividade, instabilidade emocional, sensibilidade n√£o canalizada.

O Intestino Grosso recebe o resto dos alimentos e da bebida do Intestino Delgado, absorve mais fluidos e elimina os resíduos. Ele pode sofrer um desequilíbrio devido a dietas inadequadas, doença aguda, fraqueza ou preocupação, embora o melhor tratamento para isso seja indireto, através de um meridiano relacionado, ao invés do próprio meridiano do Intestino Grosso.

AcupunturaPor exemplo, muitos problemas intestinais respondem melhor ao tratamento dos meridianos dos Pulm√Ķes, dos Rins, do Ba√ßo-P√Ęncreas ou do Est√īmago. Se o problema for gerado por preocupa√ß√£o, ou pris√£o de ventre gerada por fraqueza ou falta de ar, trate os Pulm√Ķes. Pessoas fracas geralmente s√£o propensas a v√°rios desconfortos abdominais, tais como intestino desarranjado, diarr√©ia, gases e distens√Ķes. Nestes casos trate o B a√ßo, que controla a transforma√ß√£o de fluidos.

Trate o meridiano do Intestino Grosso, se o problema for dor no ombro ou cotovelo, ou bloqueio e dor nos órgãos sensoriais, incluindo congestão nasal, sinusite e dor de dente. Trabalhe, neste meridiano do cotovelo até a mão, se houver um caso de prisão de ventre gerada por calor ou febre.

Sinais patológicos: Odontalgias da mandíbula, garganta inchada e dolorida, sangramento nasal, boca seca, conjuntivas amarelas, pescoço inchado, dores e embaraço da motricidade da linha anterior dos extensores do braço e da escápula.

Trajeto: Come√ßa no √Ęngulo ungueal lateral do indicador, sobe pela lateral do dedo passando pelo √Ęngulo dorsal do indicador e polegar, corre pelo antebra√ßo at√© o √Ęngulo externo do cotovelo, segue reto at√© a ponta do ombro, corre pelo alto do ombro e sobe pela lateral do pesco√ßo at√© o maxilar, corta diagonalmente a face ao lado da asa do nariz.

MERIDIANO DO EST√ĒMAGO

Símbolo: E
Pontos: 45
Energia: YANG
Elemento: Terra

Fun√ß√£o: O meridiano do Est√īmago recebe energia do meridiano do Intestino Grosso, transmitindo-a ao meridiano do Ba√ßo-P√Ęncreas. Comanda o est√īmago e o duodeno com suas fun√ß√Ķes digestivas e transformadoras dos alimentos. Atua sobre o psiquismo e as mol√©stias da parte frontal do t√≥rax. Relaciona-se com o pensamento, id√©ias e a concentra√ß√£o mental.

AcupunturaFiltra ansiedade nervosa, preocupa√ß√£o, sistema nervosa em geral. O Est√īmago e o Ba√ßo s√£o respons√°veis pela digest√£o, sendo considerados e tratados em conjunto. O Ki dos alimentos √© √† base do sangue e do Ki do corpo, por isso √© importante fortalecer os dois √≥rg√£os em qualquer doen√ßa cr√īnica.

O Est√īmago sofre mais com a secura e o calor. Ele ‚Äúgosta‚ÄĚ de umidade. Se seus fluidos estiverem deficit√°rios, a digest√£o ser√° afetada. A boca fica seca e os l√°bios ressecam. O Est√īmago direciona o Ki para baixo. Perturbado, o Ki flui para cima e causa n√°usea, v√īmitos ou dor de cabe√ßa.

Sinais patol√≥gicos: Hipertermia e transpira√ß√£o, sangramento nasal, borbulhas nos l√°bios, boca entortada, cefal√©ia, garganta inchada e dolorosa, pesco√ßo inchado, convuls√Ķes de pavor, manias, regi√£o epig√°strica inchada, gases intestinais, dores ou dificuldades nos movimentos na virilha e na parte antero-lateral da perna, do dorso do p√© e do 3¬ļ artelho.

Trajeto: Come√ßa na p√°lpebra inferior entre o globo ocular e a borda do osso infra-orbital, na linha vertical da pupila (conforme o mapa de Juracy Can√ßado, come√ßa na lateral da testa), desce a linha posterior da face at√© o canto da mand√≠bula e contorna at√© o meio do maxilar, mergulha para reaparecer abaixo da √≥rbita inferior e retorna ao meio do maxilar, desce pelo lado da car√≥tida at√© a clav√≠cula, da√≠ corre no sentido do ombro at√© a linha vertical do mamilo, desce verticalmente, passando sobre o mamilo at√© o final da caixa tor√°cica, fechando em dire√ß√£o ao centro do corpo, descendo reto a 3 dedos do vaso da concep√ß√£o at√© a virilha, se projeta pela regi√£o antero-lateral da coxa e da perna, lateralmente a t√≠bia, atravessa o dorso do p√© e termina no √Ęngulo ungueal lateral do 2¬ļ artelho.

MERIDIANO DO BA√áO-P√āNCREAS

Símbolo: BP
Pontos: 21
Energia: YIN
Elemento: Terra

Fun√ß√£o: Este meridiano apresenta-se acoplado ao meridiano do Est√īmago. Recebe a energia do meridiano do Est√īmago e transmite-a ao meridiano do Cora√ß√£o. Comanda o Ba√ßo com sua fun√ß√£o reguladora sobre o sangue e o p√Ęncreas com sua fun√ß√£o reguladora sobre as reservas de glicog√™nio. Atua sobre o aparelho genital, horm√īnios sexuais, indisposi√ß√£o geral e desequil√≠brios energ√©ticos da parte central do corpo. Relaciona-se com o desenvolvimento mental e intelectual.

AcupunturaFiltra traumas, choque emocional, ci√ļmes. As fun√ß√Ķes principais do Ba√ßo s√£o transformar e transportar. Ele transforma o alimento e transmite o Ki nutriente para √≥rg√£os, m√ļsculos e membros; tamb√©m para o Cora√ß√£o e os Pulm√Ķes, como base para o Ki e para o sangue. O seu Yang Ki, quente, tamb√©m transforma os fluidos do corpo. O Ba√ßo gosta de secura e detesta umidade. Alimentos frios ou bebidas geladas em excesso podem enfraquec√™-lo. Os sintomas s√£o falta de apetite e m√° digest√£o, cansa√ßo, musculatura fraca, membros pesados, intestinos desarranjados ou diarr√©ia e incha√ßo do abd√īmen.

O Ki do Ba√ßo tamb√©m ‚Äúestanca o sangue‚ÄĚ, impedindo a hemorragia, e ‚Äúsegura‚ÄĚ os √≥rg√£os. Hematomas, varizes e todas as formas de prolapsos (sa√≠da de um √≥rg√£o, ou de parte dele, do local) s√£o sintomas de fraqueza do ba√ßo.

Sinais patol√≥gicos: L√≠ngua r√≠gida, v√īmitos ap√≥s refei√ß√Ķes, numerosos arrotos, fraqueza f√≠sica, sensa√ß√£o de corpo pesado, dificuldades para engolir, abd√īmen inchado e dolorido, diarr√©ia, icter√≠cia, sensa√ß√£o de frio na parte interna do membro inferior e dores ao mover o artelho grosso.

Trajeto: Come√ßa no √Ęngulo ungueal interno do ded√£o, corre pela face interna do p√©, passa pela frente do mal√©olo interno e sobe a perna pela borda posterior da t√≠bia, continua pela coxa at√© a virilha, sobe pelo abd√īmen no sentido da axila onde desce para o centro da lateral do tronco, terminando um pouco abaixo da linha horizontal do mamilo.

MERIDIANO DO CORAÇÃO

Símbolo: C
Pontos: 9
Energia: YIN
Elemento: Fogo

Fun√ß√£o: Este meridiano √© de natureza Yin, apresenta-se acoplado ao meridiano do Intestino Delgado, que √© Yang. Recebe energia do meridiano do Ba√ßo-P√Ęncreas. Comanda o √≥rg√£o card√≠aco e a press√£o sangu√≠nea. Atua sobre a energia ps√≠quica e os dist√ļrbios do cora√ß√£o. Relaciona-se com o riso e o prazer.
Filtra ang√ļstia, m√°goa, amargura.

A for√ßa de nossa constitui√ß√£o depende do Cora√ß√£o e dos Rins. Por isso, desordens no Cora√ß√£o podem resultar em fraqueza, cansa√ßo ou letargia (sonol√™ncia) e, √†s vezes, tonturas e palpita√ß√Ķes. A rela√ß√£o √≠ntima entre o sangue e o Ki significa que os Pulm√Ķes podem ser afetados tamb√©m, resultando em falta de ar. O Cora√ß√£o pertence ao elemento fogo, impulsiona o sangue e abriga a mente. O meridiano abre para a l√≠ngua e controla o suor. As desarmonias do Cora√ß√£o geralmente se caracterizam por desordens da circula√ß√£o, tais como peito dolorido ou congestionado e sensa√ß√£o de calor ou frio extremo, principalmente nas m√£os.

AcupunturaUm desequil√≠brio neste √≥rg√£o pode causar dist√ļrbios mentais ou emocionais como inquieta√ß√£o, ins√īnia, sonhos perturbadores, nervosismo, irritabilidade e ansiedade. Um suor anormal √†s vezes acompanha estes sintomas. A colora√ß√£o do rosto reflete o estado da circula√ß√£o e, portanto, do cora√ß√£o. Uma complei√ß√£o p√°lida, sem vida, indica fraqueza no Ki do Cora√ß√£o ou no sangue; j√° uma complei√ß√£o vermelha parece indicar que o calor est√° afetando o cora√ß√£o.

As desarmonias do Coração se fazem visíveis na língua, produzindo dificuldade na fala, como gagueira. Muitas pessoas efusivas (que expressam sentimentos íntimos), falantes compulsivas, podem estar manifestando um desequilíbrio no Coração.

Sinais patológicos: Dores torácicas, dores no coração, garganta seca, sede, conjuntivas amarelas, dores na linha interna da face palmar do braço, calor nas palmas das mãos ou mãos e pés frios.

Trajeto: Come√ßa no oco da axila, desce pela face anterior do bra√ßo, extremidade medial, atravessa a ponta interna da dobra do cotovelo, segue reto pelo antebra√ßo sobre a ulna, atravessa o pulso pela lateral do tend√£o do dedo m√≠nimo, segue pela palma da m√£o para terminar no √Ęngulo ungueal lateral do dedo m√≠nimo.

MERIDIANO DO INTESTINO DELGADO

Símbolo: ID
Pontos: 19
Energia: YANG
Elemento: Fogo

Fun√ß√£o: Este meridiano √© de natureza Yang, e se apresenta acoplado ao meridiano do Cora√ß√£o, que √© Yin. Recebe a energia do meridiano do Cora√ß√£o, transmitindo-a ao meridiano da Bexiga. Comanda o Intestino Delgado e sua fun√ß√£o √© de separar o puro do impuro, absor√ß√£o dos alimentos transformados no Est√īmago e separa√ß√£o das toxinas e objetos s√≥lidos para a elimina√ß√£o pelos √≥rg√£os excretores. Atua nas dores da nuca, cotovelo e incha√ß√Ķes no rosto. Relaciona-se com as grandes depress√Ķes.

AcupunturaOs Intestinos Grosso e Delgado filtram a emotividade, instabilidade emocional, sensibilidade n√£o canalizada. O Intestino Delgado recebe do Est√īmago alimentos e bebidas parcialmente transformados. Ele separa e absorve a parte nutritiva para o ba√ßo distribuir. Envia os dejetos s√≥lidos para o Intestino Grosso, passando os ‚Äúfluidos impuros‚ÄĚ para a Bexiga. As fun√ß√Ķes deste √≥rg√£o podem ser resumidas em receber, separar, assimilar e transformar.

O Intestino Delgado é ligado ao Coração, ajudando-o a proporcionar clareza à mente em sua capacidade de discernir e absorver boas idéias. O pensamento desordenado é um sinal de fraqueza no Intestino Delgado.
Ele compartilha com a Bexiga a fun√ß√£o de separar e transformar os fluidos. Ambos os √≥rg√£os est√£o localizados na regi√£o inferior do corpo, controlada pelos Rins. Devido √†s conex√Ķes da Bexiga, o trabalho sobre o meridiano do Intestino Delgado ajuda a aliviar dores de cabe√ßa, na coluna e na parte inferior das costas. Urina constante ou sem freq√ľ√™ncia, acompanhada de ardor, pode ser tratada, trabalhando-se com estes tr√™s meridianos.

Os sintomas do meridiano do Intestino Delgado são dores e rigidez no pulso, cotovelo, escápula e pescoço; dor de ouvido; irritação nos olhos.

Sinais patológicos: Surdez, conjuntivas amarelas, garganta dolorida, inchaço doloroso na região submandibular e no pescoço, torcicolo, dores na linha interna da face dorsal do braço e da escápula.

Trajeto: come√ßa no √Ęngulo ungueal medial do dedo m√≠nimo, segue pela extremidade medial do dedo e da m√£o, sobe pelo dorso do antebra√ßo sobre a ulna passando por tr√°s do cotovelo, continua pelo bra√ßo e por tr√°s do ombro fazendo um ziguezague horizontalmente sobre a esc√°pula, subindo pela lateral posterior do pesco√ßo, entra diagonalmente na face at√© a ma√ß√£ do rosto, retrocede ata a articula√ß√£o da mand√≠bula na frente do ouvido onde termina.

MERIDIANO DA BEXIGA

Símbolo: B
Pontos: 67
Energia: YANG;
Elemento: √Āgua

Fun√ß√£o: Este meridiano recebe a energia do meridiano do Intestino Delgado e a transmite ao meridiano dos Rins. Sua natureza √© Yang, apresentando-se acoplado ao meridiano dos Rins que √© Yin. Comanda a Bexiga e a fun√ß√£o equilibradora e eliminadora dos Rins. Atua nos problemas da parte posterior do corpo, principalmente costas e n√°degas. Relaciona-se com o temor, agindo sobre o psiquismo eliminando emo√ß√Ķes negativas e regulando as inconsist√™ncias de car√°ter causadas por doen√ßas cr√īnicas.

AcupunturaFiltra a tensão nervosa, tensão contínua ligada ao medo, ao temor de qualquer espécie, a inquietação. A Bexiga transforma os fluidos em urina, depois eliminada, ajudando os Rins a regular a água. Mas o meridiano da Bexiga tem uma influência maior. Ele é um aspecto do Rim Yang, que ajuda na defesa do organismo e apóia os outros órgãos através dos pontos associados.

Os Rins ‚Äúnutrem o c√©rebro e o cord√£o da espinha dorsal‚ÄĚ. O meridiano da Bexiga se liga com o c√©rebro e ajuda a integrar a intelig√™ncia √†s fun√ß√Ķes do sistema nervoso. Desequil√≠brio na Bexiga pode causar ci√ļme, desconfian√ßa, obsess√Ķes, inquieta√ß√£o e nervos √† flor da pele.

Sinais patol√≥gicos: Nuca r√≠gida e dolorida, hemorr√≥idas, mal√°ria, loucura agitada (mania), loucura calma (depressiva), conjuntivas amarelas, lacrimejamentos, dores e dificuldades na movimenta√ß√£o dos lombos e da coluna vertebral, incha√ßo doloroso nos globos oculares, rinorr√©ia (fluxo de mucosidade pelo nariz), epistaxe (hemorragia nasal), hemiplegia, dores ou dificuldades em mover a cavidade popl√≠tea, o m√ļsculo gastrocn√™mio e o 5¬ļ artelho.

Trajeto: Come√ßa acima do canto interno do olho, corre pelo alto da cabe√ßa a 1 dedo lateral do vaso governador, continua pela regi√£o cervical at√© o dorso, na altura da 1¬™ v√©rtebra tor√°cica, abre e corre paralelamente a 3 dedos da coluna at√© o c√≥ccix formando um ‚ÄúN‚ÄĚ para dentro, mergulha e reaparece √† altura da 1¬™ v√©rtebra tor√°cica a 6 dedos da coluna formando uma segunda paralela que continua pelo centro das n√°degas prosseguindo por tas das coxas, passando pelo meio da dobra do joelho, continua pelo centro da batata da perna passando entre o mal√©olo externo e o tend√£o calc√Ęneo, corre pela lateral externa do p√© at√© o √Ęngulo ungueal lateral do 5¬ļ artelho.

MERIDIANO DO RIM

Símbolo: R
Pontos: 27
Energia: YIN
Elemento: √Āgua

Fun√ß√£o: Sendo Yin, este meridiano se apresenta acoplado ao meridiano da Bexiga, Yang, de quem recebe a energia que, posteriormente, transmite ao meridiano da Circula√ß√£o e Sexualidade (Peric√°rdio). Comanda a a√ß√£o filtro-excret√≥ria e secret√≥ria dos Rins e as gl√Ęndulas supra-renais. Atua no sistema end√≥crino, assimila√ß√£o renal, na audi√ß√£o, ossos e cabelos. Relaciona-se com a vontade, a seguran√ßa, e com a energia sexual e problemas genitais.

AcupunturaFiltra a ansiedade temerosa, medo, pavor. Os Rins s√£o √† base de nossa for√ßa estrutural, al√©m de controlarem a energia e as subst√Ęncias no corpo. O Rim Yin armazena a ess√™ncia, a base do crescimento f√≠sico, do desenvolvimento e da maturidade. Ele forma o ‚Äútutano‚ÄĚ para o c√©rebro e o cord√£o espinal, al√©m do tutano para os ossos.

O Rim Yang √© o ‚Äúpoder de transforma√ß√£o‚ÄĚ do corpo e ap√≥ia as fun√ß√Ķes de todos os outros √≥rg√£os.
Os sintomas dos rins se caracterizam por fraqueza e depleção; e incluem problemas urinários e sexuais, dores nas costas, memória fraca, tontura, perda da audição, zumbido no ouvido e perda de cabelos.

Sinais patol√≥gicos: Respira√ß√£o curta, polipn√©ia (respira√ß√£o r√°pida e superficial), tosse com escarro e sangue, vertigens, ofusca√ß√£o da vista, perturba√ß√Ķes card√≠acas, facilmente amedrontado, boca e lingua secas, garganta seca, inchada e dolorida, sensa√ß√Ķes de peito acalorado, oprimido e dolorido, icter√≠cia, diarr√©ia, costas e lombos dolorosos, membros inferiores sem for√ßa, calor na sola dos p√©s ou p√©s frios.

Trajeto: Come√ßa na cavidade plantar quando da flex√£o dos artelhos e sobe pelo meio da face interna do p√©, contorna o mal√©olo interno pela frente, sobe pela face posterior interna da perna, continua subindo pela coxa e entra no abd√īmen a 1 dedo lateral do Vaso da Concep√ß√£o, sobe verticalmente at√© o plexo solar e entra no peito entre o vaso da concep√ß√£o e a linha vertical do mamilo at√© abaixo da ponta interna da clav√≠cula onde termina.

MERIDIANO DA CIRCULA√á√ÉO E SEXUALIDADE (PERIC√ĀRDIO)

Símbolo: CS
Pontos: 9
Energia: YIN
Elemento: Fogo

Função: O meridiano da Circulação e Sexualidade é Yin. Recebe energia do meridiano dos Rins, transmitindo-a ao meridiano do Triplo-Aquecedor Yang, ao qual está acoplado. Em relação aos elementos, este meridiano é de fogo, de Yin no período de outono e inverno, e de água durante a primavera e verão.
Representa uma fun√ß√£o reguladora combinada da massa humoral (fluidos) e a reprodu√ß√£o. Atua sobre o Cora√ß√£o e os √≥rg√£os sexuais. Relaciona-se com a totalidade da massa circulante com seu conte√ļdo humoral, hormonal e imunol√≥gico.

AcupunturaN√£o representa √≥rg√£o algum. Tem uma fun√ß√£o reguladora que influi sobre o cora√ß√£o, a circula√ß√£o e √≥rg√£os sexuais. O Peric√°rdio √© descrito como sendo o ‚Äúembaixador‚ÄĚ do cora√ß√£o, proporcionando alegria e felicidade, ajudando-nos a expressar os sentimentos e protegendo o cora√ß√£o da dor emocional, quando um relacionamento se torna estressante. Para conseguir isso, o meridiano da Circula√ß√£o e Sexualidade acalma a mente e equilibra as emo√ß√Ķes, principalmente quando existem problemas de relacionamento e separa√ß√Ķes (dor no cora√ß√£o e cora√ß√£o partido).

Como o Cora√ß√£o pertence ao elemento fogo, ele √© vulner√°vel ao calor extra. A fun√ß√£o do Peric√°rdio como ‚Äúprotetor do cora√ß√£o‚ÄĚ estende-se √† absor√ß√£o do calor para proteger o √≥rg√£o de ataques de febre. A maioria dos pontos neste meridiano reduz o calor associado a desordens card√≠acas e sangu√≠neas, sendo que os √ļltimos tr√™s usados especificamente para febre alta, seguida de muita sede, del√≠rio, alucina√ß√£o e inquieta√ß√£o, ou insola√ß√£o.

O meridiano da Circula√ß√£o e Sexualidade tem grande influ√™ncia no t√≥rax. Alivia rigidez, peito congestionado, dor causada por stress emocional, indigest√£o (azia) ou excesso de fleuma (Frieza de √Ęnimo; serenidade, impassibilidade).

AS DIFERENTES INTERPRETA√á√ēES DO PERIC√ĀRDIO

Os cl√°ssicos antigos geralmente se referiam a cinco √≥rg√£os Yin e a seis √≥rg√£os Yang. O Peric√°rdio era visto como o protetor do Cora√ß√£o e n√£o como √≥rg√£o em si. Alguns pontos no meridiano da Circula√ß√£o e Sexualidade (Peric√°rdio) eram originalmente atribu√≠dos ao Cora√ß√£o. Por√©m, a teoria dos doze meridianos acabou por exigir uma simetria que colocou o meridiano da Circula√ß√£o e Sexualidade como par do meridiano do Triplo Aquecedor. A rela√ß√£o dos dois, no entanto, n√£o √© √≠ntima e eles s√£o caracterizados sob o elemento fogo por raz√Ķes diferentes.

Sinais patol√≥gicos: Palpita√ß√Ķes, sensa√ß√£o de excesso de calor, de opress√£o tor√°cica, intumescimento doloroso do peito, dores card√≠acas, desregramento menstrual, espasmos nos membros superiores, palmas das m√£os quentes, axilas inchadas, rosto vermelho, conjuntivas amarelas.

Trajeto: Come√ßa a 1 dedo lateral ao mamilo, sobe at√© o ombro e desce entre os meridianos do Pulm√£o e Cora√ß√£o, cortando a dobra do cotovelo medialmente ao tend√£o do b√≠ceps, continua pelo antebra√ßo entre os ossos r√°dio e ulna, cruza o pulso e segue pelo centro da palma da m√£o terminando no √Ęngulo ungueal lateral do dedo m√©dio.

MERIDIANO DO TRIPLO AQUECEDOR

Símbolo: TA
Pontos: 23
Energia: YANG
Elemento: Fogo

Função: Este meridiano é de natureza Yang, e vem acoplado ao meridiano da Circulação e Sexualidade de Yin, que lhe fornece energia transmitindo-a ao meridiano da Vesícula Biliar. Representa uma função reguladora do equilíbrio térmico do metabolismo. Atua sobre o sistema linfático. Relaciona-se à circulação cárdio-respiratória, digestiva e genito-urinária.

AcupunturaO Triplo Aquecedor transforma e regula os fluidos do corpo. Al√©m disso, ele d√° assist√™ncia aos Rins; por isso, o tratamento pode impulsionar o Ki no interior do corpo, principalmente na regi√£o inferior. Pode ajudar tamb√©m em casos de incha√ßo ou desconforto abdominal, √†s vezes com dificuldade urin√°ria ou pris√£o de ventre. Este meridiano √© √ļtil em caso de fraqueza combinada com a incapacidade de estabilizar a temperatura do corpo e suscetibilidade a infec√ß√Ķes e febre. Por√©m, ele geralmente funciona melhor no tratamento de desequil√≠brios dos tr√™s aquecedores, trabalhando os meridianos dos √≥rg√£os relevantes de cada regi√£o.

Sinais patol√≥gicos: Surdez, garganta inchada e dolorida, dores nas ma√ß√£s do rosto e retroauriculares, dores na esc√°pula e na face externa do bra√ßo, embara√ßo na mobilidade do anular, transpira√ß√£o. Os sintomas dos meridianos Yang geralmente est√£o relacionados aos caminhos nas superf√≠cies e ligadas √† fun√ß√£o de defesa do organismo contra doen√ßa aguda e influ√™ncias do ambiente. O Triplo Aquecedor n√£o √© exce√ß√£o. Os sintomas deste meridiano incluem irrita√ß√£o nos olhos, problemas auditivos s√©rios ou dor na parte de tr√°s da orelha, garganta dolorida ou inflamada, e dores no bra√ßo ou no ombro. Outros sintomas s√£o calafrios e febre, aguda ou cr√īnica, √†s vezes seguida de suor espont√Ęneo.

Trajeto: Come√ßa no √Ęngulo ungueal medial do anular, corre entre o 4¬ļ e o 5¬ļ metacarpianos pelo dorso da m√£o, prossegue pelo antebra√ßo entre o r√°dio e a ulna, passa por tr√°s do cotovelo e segue sempre entre os meridianos do intestino grosso e delgado at√© atr√°s do ombro, corre horizontalmente por tr√°s do trap√©zio e sobe pela lateral do pesco√ßo, contorna a orelha por tr√°s at√© a articula√ß√£o da mand√≠bula e segue reto at√© a ponta externa da sobrancelha.

A CONTROV√ČRSIA SOBRE O TRIPLO AQUECEDOR

O Triplo Aquecedor sempre foi tema de discuss√£o e controv√©rsias na medicina chinesa. Algumas obras cl√°ssicas o descreviam como sendo um √≥rg√£o, assim como os outros √≥rg√£os Yang, cujo envolvimento espec√≠fico era de absorver, metabolizar e eliminar fluidos; por√©m, sem uma localiza√ß√£o determinada. Outros acreditavam que o triplo aquecedor era, na verdade, uma generaliza√ß√£o da estrutura e das energias das tr√™s partes do corpo ‚Äď as ‚Äútr√™s regi√Ķes‚ÄĚ ou ‚Äúaquecedores‚ÄĚ ‚Äď que inclu√≠a as fun√ß√Ķes dos √≥rg√£os pertinentes a cada regi√£o.

Por√©m, outra obra cl√°ssica retratava o Triplo Aquecedor como um √≥rg√£o ‚Äúcom nome, mas sem forma‚ÄĚ e desenvolveu uma vis√£o mais integrada dele, como sendo a ‚Äúrota do Ki‚ÄĚ; ajudando o Ki constitucional b√°sico de MeiMon ‚Äď o ‚ÄúPortal da Vida‚ÄĚ em Hara ‚Äď para outros √≥rg√£os.

O Triplo Aquecedor extra o Ki do ar e dos alimentos, e ajuda no controle dos fluidos do corpo, bem como na elimina√ß√£o de dejetos. Ele ap√≥ia os Pulm√Ķes, o Ba√ßo e os Rins nas regi√Ķes superior, m√©dia e inferior, respectivamente. De maneira semelhante, ele transmite o Ki armazenado para os doze meridianos quando estes se encontram em deple√ß√£o (diminui√ß√£o da quantidade de fluidos do organismo), suprindo energia √† defesa do organismo em momentos de doen√ßa e stress.

O ‚ÄúClassic of Difficulties‚ÄĚ descreve o centro Hara, ou Tanden, como o foco central do ‚ÄúKi que se move entre os rins‚ÄĚ. Segundo o modelo ‚Äúrota do Ki‚ÄĚ do triplo aquecedor, ele ativa as transforma√ß√Ķes nos tr√™s ‚Äúaquecedores‚ÄĚ e nutre todos os √≥rg√£os e seus meridianos simbolicamente pela seta (conforme ilustra√ß√£o acima).

A função do fígado

Algumas interpreta√ß√Ķes do modelo de ‚ÄúRegi√Ķes Corporais‚ÄĚ do Triplo Aquecedor descrevem o F√≠gado como sendo parte do Baixo Aquecedor, devido √† sua forte influ√™ncia em mover o Ki e sangue nesta √°rea. O F√≠gado tem tanto efeito sobre os √≥rg√£os reprodutivos quanto os Rins. Fisicamente, por√©m, ele est√° na regi√£o mediana.

Compreendendo o Triplo Aquecedor

Considere o Triplo Aquecedor como sendo estrutura b√°sica para a compreens√£o da fisiologia humana, segundo a tradi√ß√£o chinesa. Lembre-se das fun√ß√Ķes gerais e espec√≠ficas de todos os √≥rg√£os, e de suas fun√ß√Ķes interligadas e correlacionadas como parte de um sistema harmonioso. A compreens√£o desta s√≠ntese poder√° ajuda-lo a interpretar os sintomas e tratar das pessoas de maneira mais eficaz.

MERIDIANO DA VES√ćCULA BILIAR

Símbolo: VB
Pontos: 44
Energia: YANG
Elemento: Madeira

Função: Este meridiano é de natureza Yang, acoplado ao meridiano do Fígado, que é Yin. Recebe energia do meridiano do Triplo Aquecedor, transmitindo-a ao meridiano do Fígado. Comanda a função biliar total. tanto intra como extra-hepática. Atua principalmente sobre os hipocondríacos. Relaciona-se com todas as doenças psicossomáticas.

AcupunturaFiltra a indecis√£o. A Ves√≠cula Biliar armazena e secreta a bile, que ajuda a digest√£o, principalmente a digest√£o de gorduras. As pessoas cuja fun√ß√£o da Ves√≠cula √© fraca t√™m dificuldade para digerir alimentos gordurosos. Tal fato coincide com a vis√£o m√©dica ocidental. A estagna√ß√£o do Ki ou de calor na Ves√≠cula pode causar dor sob as costelas, n√°usea e v√īmitos, gosto amargo na boca e uma colora√ß√£o amarela nos olhos.

A Vesícula Biliar influencia as laterais do corpo; um bloqueio ou desequilíbrio em seu meridiano manifesta-se como dor nas têmporas, dor nos olhos e ouvidos, dor ou inflexibilidade na mandíbula, nos ombros, costelas, quadris e juntas dos joelhos e tornozelo.

Sinais patol√≥gicos: Frio e calor alternados, boca amarga, suspiros freq√ľentes, dores nos flancos, dores hemicranianas, mal√°ria, calores ou embara√ßos na mobilidade da coxa, do joelho, da face externa da panturrilha e do 4¬ļ artelho.

Trajeto: Come√ßa na ponta externa do olho, vai at√© a base da articula√ß√£o da mand√≠bula, sobe at√© a fronte e retorna em dire√ß√£o a orelha contornando-a por tr√°s, por√©m acima da linha do cabelo at√© a depress√£o p√≥stero-inferior do osso mast√≥ideo, retorna numa 2¬™ meia lua at√© o meio da testa, na linha vertical do olho, retorna mais uma vez pelo alto da lateral da cabe√ßa, formando uma 3¬™ meia lua, descendo atrav√©s do occipital pelo lado da nuca, passa pelo ponto mais alto do trap√©zio, contorna o ombro pela frente at√© abaixo do centro da axila, faz um ziguezague pelo meio da lateral do tronco at√© o quadril, desce pelo meio da lateral da coxa at√© a cabe√ßa da f√≠bula, continua pela perna sempre entre os meridianos do Est√īmago e Bexiga, passa √† frente do mal√©olo externo e desce pelo dorso do p√© at√© o √Ęngulo ungueal lateral do 4¬ļ artelho.

MERIDIANO DO F√ćGADO

Símbolo: F
Pontos: 14
Energia: YIN
Elemento: Madeira

Fun√ß√£o: Este meridiano √© de natureza Yin, acoplado ao meridiano da Ves√≠cula Biliar, que √© Yang. Recebe energia do meridiano da Ves√≠cula Biliar, e a transmite ao meridiano do pulm√£o. Comanda as m√ļltiplas fun√ß√Ķes do f√≠gado, em especial as relacionadas ao metabolismo, a sexualidade, os m√ļsculos e a acuidade visual. Atua sobre mol√©stias das partes inferiores do corpo. Relaciona-se com a irrita√ß√£o e a c√≥lera.

Filtra a raiva, √≥dio ou uma vontade muito grande reprimida. As duas principais fun√ß√Ķes do F√≠gado s√£o armazenar o sangue e ajudar todas as fun√ß√Ķes do corpo, espalhando o Ki. O F√≠gado tamb√©m controla os tend√Ķes e ligamentos, liberando o sangue para nutri√ß√£o dos mesmos, para que as juntas e os m√ļsculos funcionem bem. Esse sangue ir√° nutrir os olhos, que √© onde o F√≠gado desemboca. Durante o repouso, o sangue retorna ao F√≠gado.

AcupunturaUm bloqueio de Ki causa problemas relacionados a este √≥rg√£o ‚Äď dores, rigidez e irregularidade ‚Äď em muitas partes do corpo. A larga influ√™ncia do Ki do F√≠gado pode ser observada, ao se estudar o curso de seu meridiano.

O Fígado guia nosso destino; sua função é associada a planejamento e organização. Sua influência sobre os olhos não está relacionada apenas a boa visão, mas simbolicamente, ao bom senso e ao insight (perspicácia). Neste sentido, o Fígado recebe ajuda da Vesícula Biliar, que influencia o poder de decisão e julgamento. O Fígado possui a visão geral, enquanto a Vesícula se encarrega dos detalhes.

Frustra√ß√Ķes e dificuldades podem levar a raiva, a forte emo√ß√£o do F√≠gado. Utilizada adequadamente, ela pode superar obst√°culos e conduzir a solu√ß√Ķes criativas. As dificuldades n√£o resolvidas, por√©m, bloqueiam o Ki do F√≠gado, o que resulta em depress√£o. Irritabilidade e agress√£o gratuita surgem toda vez que as energias do elemento madeira, naturalmente expansivas, n√£o encontram v√°lvula de escape e se rebelam para cima, geralmente produzindo sintomas f√≠sicos como dor de cabe√ßa. Covardia, timidez e incapacidade de se desvencilhar de detalhes indicam fraqueza da Ves√≠cula Biliar.

Sinais patol√≥gicos: Flancos inchados e dolorosos, sensa√ß√£o de plenitude no peito, v√īmitos, diarr√©ia, an√ļria (aus√™ncia de urina na bexiga), h√©rnias, incha√ßo doloroso do escroto ou dos test√≠culos, doen√ßas genitais, lumbago, dores do bacinete da mulher (reservat√≥rio renal onde principiam os ureteres).

Trajeto: Come√ßa no √Ęngulo ungueal lateral do ded√£o, sobe pelo dorso do p√© at√© o √Ęngulo dos 1¬ļ e 2¬ļ metatarsianos, passa pela frente do mal√©olo interno e sobe medialmente a t√≠bia at√© atr√°s da cabe√ßa do osso, segue pela parte interna da coxa, cruza a virilha e abre no sentido da ponta da 12¬™ costela, convergindo para o centro do corpo, terminando aproximadamente a 3 dedos abaixo do mamilo.

MERIDIANOS EXTRAORDIN√ĀRIOS

Cada meridiano √© formado por um n√ļmero determinado de pontos que transmitem a energia em sentido e ordem sempre constantes. Existem v√°rios tipos de meridianos conforme a fun√ß√£o que desempenham (existem 59 meridianos para conduzir o fluxo de energia pelo corpo), sendo 14 considerados importantes, sendo 12 meridianos principais (como j√° vimos acima) e 2 meridianos Extras. Os demais, destitu√≠dos de pontos pr√≥prios, s√£o os Meridianos Virtuais que somente se manifestam nos estados patol√≥gicos e os Meridianos de Liga√ß√£o denominados de Vasos Secund√°rios, fazendo conex√£o entre os meridianos energ√©ticos principais, formando verdadeira rede energ√©tica entre si.

Os meridianos energéticos Extras denominados Vaso da Concepção e Vaso Governador são o relê que controla a fluidez da energia vital que percorre os meridianos energéticos principais.

Em termos estruturais, o c√©rebro representa o Vaso Governador (Sistema Nervoso), enquanto o √ļtero representa o Vaso da Concep√ß√£o.

Os meridianos de car√°ter energ√©tico Yin t√™m como principais fun√ß√Ķes fisiol√≥gicas formar e armazenar compostos nutritivos, enquanto que os meridianos de car√°ter energ√©tico Yang, t√™m como fun√ß√Ķes essenciais receber, digerir e absorver os nutrientes, transformando-os e excretando os dejetos.

MERIDIANO DO VASO GOVERNADOR

Símbolo: VG
Pontos: 28
Energia: YANG (ver a observação no trajeto deste meridiano).

AcupunturaFun√ß√£o: Tem o nome de Du-Mai, e tem duas fun√ß√Ķes principais que s√£o:
a) Governar e regular a energia de Yang do corpo;
b) Manter a resistência do corpo.
Relaciona-se com as fun√ß√Ķes do Sistema Nervoso Central.

Sinais patol√≥gicos: Quando este meridiano apresenta algum problema, haver√° espasmos e rigidez at√© com opist√≥tono (espasmo que obriga o doente a curvar-se para tr√°s, em virtude de forte contratura dos m√ļsculos dorsais). Os sintomas principais s√£o: dor nas costas; dor de cabe√ßa; convuls√£o; epilepsia; comportamento man√≠aco; hemorr√≥idas; h√©rnia; diurese; esterilidade; medos convulsivos em crian√ßas, doen√ßas febris.

Trajeto: Nasce entre o √Ęnus e a ponta do c√≥ccix, sobe pela linha central das costas sobre a coluna vertebral, segue pelo centro da nuca, contorna a cabe√ßa, passa entre as sobrancelhas, os olhos, centro do nariz, terminando na gengiva entre os dois dentes incisivos.

OBS: Embora este seja um meridiano Yang, observa-se que ele começa de baixo para cima, que é uma característica dos meridianos Yin. O meridiano do Vaso Governador é o primeiro meridiano a se formar no corpo humano. Ele se forma já nas primeiras 14 horas após a fecundação. Por essa razão, este meridiano tem essa característica especial. Embora ele termine seu trajeto descendo do alto da cabeça.

MERIDIANO DO VASO DA CONCEPÇÃO

Símbolo: VC
Pontos: 24
Energia: YIN

Fun√ß√£o: Tem o nome de Ren-Mai. Em chin√™s, ‚ÄúRen‚ÄĚ significa nascer e criar. Este meridiano liga-se a todos os meridianos de Yin. Por isso, chama-se ‚ÄúO mar dos meridianos Yin”. Comanda os meridianos Yin, armazenando e distribuindo energias. Relaciona-se e age sobre as fun√ß√Ķes genito-urin√°rias (no seu segmento que vai do ponto 1 ao umbigo), a fun√ß√£o digestiva (do umbigo ao ap√™ndice xif√≥ide, no osso esterno), e a fun√ß√£o respirat√≥ria (da base do osso esterno ao queixo).

AcupunturaSinais patol√≥gicos: O desequil√≠brio de energia neste meridiano se evidenciar√° no homem sob forma de h√©rnia e c√≥licas abdominais, e na mulher como problemas nos √≥rg√£os genitais, leucorr√©ia (corrimento branco) e esterilidade. Al√©m desses, h√° ainda outros tipos de problemas tais como: dist√ļrbios na menstrua√ß√£o; impot√™ncia; epilepsia; espermatorr√©ia (ejacula√ß√£o involunt√°ria); infec√ß√£o na uretra; aborto.
Os pontos do meridiano do Vaso da Concepção são usados para tratamentos gastrintestinais, pulmonares e de garganta, e etc.

Juntamente com o Vaso Governador, este meridiano forma a chamada Pequena Circulação de Energia que desempenha um papel regulador na função da grande circulação de energia. Aqui se depositam os excessos energéticos da Grande Circulação, ou ao contrário, daqui partem os reforços nos estados de carência de energia.

Trajeto: Come√ßa no per√≠neo, entre o √Ęnus e os genitais, sobe em linha reta pelo centro da parte anterior do tronco, umbigo, osso esterno, pesco√ßo, queixo, terminando entre o l√°bio inferior e o queixo.

PONTOS

Ao longo dos meridianos encontra-se o que s√£o chamados em japon√™s de ‚ÄúTsubos‚ÄĚ (buracos). Esses Tsubos de pontos servem para condensar energia e permitem o contato e a atua√ß√£o sobre a energia dos meridianos de forma mais intensa. Os pontos s√£o uma porta aberta para a recep√ß√£o de est√≠mulos externos, como press√£o dos dedos, agulhas, queima de moxa e ventosas.

Como j√° vimos anteriormente, logo no in√≠cio de nossa apostila, para visualizarmos melhor, vamos comparar este sistema com os metr√īs urbanos subterr√Ęneos. Os pontos de shiatsu s√£o como as esta√ß√Ķes de embarque de passageiros que se ligam √† superf√≠cie.

Os meridianos seriam as linhas ou trilhos por onde passa o fluxo eletromagn√©tico, ou energia Ki. Em 1953, o Dr. Yoshio Nakatani desenvolveu um ‚ÄúOHM√ćMETRO‚ÄĚ sens√≠vel o bastante para ser usado como detector de pontos de acupuntura na superf√≠cie da pele. Quando analisados por fotografia microsc√≥pica, estes pontos detectados revelam a exist√™ncia de termina√ß√Ķes nervosas e de vasos sangu√≠neos e, n√£o s√£o encontrados onde o aparelho n√£o detecta estes pontos de acupuntura.

Estes pontos, quando ‚Äúdoentes‚ÄĚ, se encontram enrijecidos e sens√≠veis, devendo ser tratados para a melhora do quadro patol√≥gico. Conforme o desequil√≠brio de polaridade no corpo que impede o livre fluxo de energia Ki, determinamos respectivamente o aspecto Kyo (vazio) ou Jitsu (plenitude) de bloqueio. Quando o Ki flui bem distribu√≠do no corpo, este se encontra em estado de ‚Äúboa sa√ļde‚ÄĚ, mas se aparecem desequil√≠brios, logo se produzem Kyo e Jitsu em algumas partes do corpo entrando o organismo em estado patol√≥gico, para a medicina oriental.

Para a exata localiza√ß√£o dos pontos, deve-se levar em considera√ß√£o que o ponto tem superf√≠cie aproximada de 1 a 2 mil√≠metros quadrados. Quando o ponto √© sens√≠vel, a localiza√ß√£o √© mais f√°cil. Basta, portanto, apalpar suavemente o trajeto do meridiano at√© encontra-lo. Os pontos est√£o sempre localizados em depress√Ķes ou eleva√ß√Ķes √≥sseas, ou ainda em disposi√ß√Ķes musculares ou tendinosas. Tamb√©m s√£o descobertos atrav√©s de unidade de medida ‚ÄúCUN‚ÄĚ (dist√Ęncia).

O shiatsu funciona para prevenir o desequilíbrio energético. A energia fica bloqueada no corpo e é necessário facilitar o funcionamento normal do órgão. Como?

Quando a energia é bloqueada

Pode-se liberar a energia pela massagem profunda ou pressão profunda. Pressione o polegar profundamente e segure no ponto. Isso é uma sedação.

Quando o fluxo de energia est√° faltando

Para produzir o fluxo de energia, é necessário estimular o ponto. Desta vez, aplique toques leves, várias vezes, com os dedos na superfície dos pontos. Isto é uma tonificação.

ALGUNS PONTOS IMPORTANTES DE CADA MERIDIANO E SUAS INDICA√á√ēES
‚ÄúPULM√ÉO‚ÄĚ
  • P5: Localizado na dobra do cotovelo, lateral do tend√£o b√≠ceps braquial.
  • Indica√ß√£o: Dor de cabe√ßa (frontal); rigidez na nuca, tosse; asma; paralisia facial; dor no peito.
  • P9: Localizado na linha do pulso, sobre a art√©ria radial.
  • Indica√ß√£o: Asma; tosse; dor no peito e mamas; amidalite; dor no bra√ßo.
  • P11: Localizado no √Ęngulo ungueal lateral do polegar.
  • Indica√ß√£o: Amidalite; coma; derramamento de sangue no nariz; diarr√©ia infantil.
‚ÄúINTESTINO GROSSO‚ÄĚ
  • IG1: Localizado no √Ęngulo ungueal lateral do dedo indicador, pr√≥ximo ao polegar.
  • Indica√ß√£o: amidalite, dor de dentes; glaucoma; dor no ombro; dedos adormecidos.
  • IG4: Localizado no √Ęngulo formado pelo polegar e pelo indicador.
  • Indica√ß√£o: Dor de cabe√ßa; de dente; rinite; bronquite; gripe; ins√īnia; paralisia facial; nervosismo.
  • IG11: Localizado no √Ęngulo externo do cotovelo.
  • Indica√ß√£o: dores em geral; febre; press√£o alta; conjuntivite; problema de pele; hemiplegia.
  • IG15: Localizado na ponta do ombro (com o bra√ßo levantado, forma-se um buraco no ombro).
  • Indica√ß√£o: Bursite no ombro; hemiplegia; urtic√°ria; furunculose.
‚ÄúEST√ĒMAGO‚ÄĚ
  • E36: Localizado a 4 dedos abaixo da patela. Fica na depress√£o abaixo da cabe√ßa da t√≠bia.
  • Indica√ß√£o: Dor de est√īmago; disenteria; gastrite: epilepsia; paralisia facial; frigidez; impot√™ncia.
  • E45: Localiza-se no √Ęngulo ungueal lateral do 2¬ļ artelho, pr√≥ximo ao 3¬ļ dedo do p√©.
  • Indica√ß√£o: gengivite; paralisia facial; excesso de sonhos; comportamento man√≠aco; ansiedade.
‚ÄúBA√áO-P√āNCREAS‚ÄĚ
  • BP2 e BP3: localizados antes e depois da junta metatarso-falangeal do h√°lux pela face medial.
  • Indica√ß√£o: distens√£o e c√≥licas abdominais; lombalgia; gota; cansa√ßo no corpo; hemorr√≥idas.
  • BP6: localizado a 4 dedos acima do mal√©olo interno na borda interna do tornozelo.
  • Indica√ß√£o: dist√ļrbios nos √≥rg√£os genitais; impot√™ncia; frigidez; falta de apetite; incha√ßo da perna.
‚ÄúCORA√á√ÉO‚ÄĚ
  • C1: Localiza-se no oco da axila.
  • Indica√ß√£o: Dores no bra√ßo, ombro e peito; dor no cora√ß√£o; nevralgia; mau cheiro na axila.
  • C3: Localizado no √Ęngulo interno do cotovelo (ponta interna da dobra do cotovelo).
  • Indica√ß√£o: Dores de dente, cabe√ßa, nuca e antebra√ßo; torcicolo; zumbido; tremor nos bra√ßos.
  • C7: Localizado na linha do pulso, ao lado do tend√£o do dedo m√≠nimo
  • Indica√ß√£o: Ansiedade; Palpita√ß√£o; dor de cabe√ßa e tontura; ins√īnia; epilepsia; dor na garganta.
  • C9: Localizado no √Ęngulo ungueal do dedo m√≠nimo, pr√≥ximo ao anular.
  • Indica√ß√£o: Palpita√ß√£o; dor no peito; dor de garganta; AVE; coma.
‚ÄúINTESTINO DELGADO‚ÄĚ
  • ID3: Localiza-se na ponta da linha do cora√ß√£o quando fechamos o punho (ponta da dobra).
  • Indica√ß√£o: Dor nas costas; rigidez; dor na nuca; zumbido; surdez: epilepsia; transpira√ß√£o noturna.
‚ÄúBEXIGA‚ÄĚ
  • B54: Localiza-se no centro da dobra do joelho (cavo popl√≠teo).
  • Indica√ß√£o: Ci√°tico; lombalgia; paralisia da perna; dor no joelho; AVE; hipertranspira√ß√£o.
  • B60: Localiza-se entre o mal√©olo externo e o tend√£o calc√Ęneo, na borda superior do calc√Ęneo.
  • Indica√ß√£o: Dor de cabe√ßa; rigidez na nuca; lombalgia; ci√°tica; dor no c√≥ccix; dist√ļrbio no parto.
‚ÄúRINS‚ÄĚ
  • R1: Localizado na ruga plantar, quando da flex√£o dos artelhos.
  • Indica√ß√£o: Cefal√©ia parietal; tontura; fobias; ins√īnia; diabete; press√£o alta; convuls√£o infantil.
‚ÄúCIRCULA√á√ÉO E SEXUALIDADE‚ÄĚ
  • CS3: Localizado na dobra do cotovelo medial do tend√£o central.
  • Indica√ß√£o: Palpita√ß√£o; tosse; v√īmito; tremor nos bra√ßos; febre; coma.
  • CS6: Localiza-se a 2 dedos da linha do pulso, entre o r√°dio e a ulna.
  • Indica√ß√£o: Dor no cora√ß√£o; press√£o no peito; palpita√ß√£o; ansiedade; histeria; ins√īnia; solu√ßo.
  • CS8: Localiza-se na palma da m√£o entre as juntas do 3¬ļ e 4¬ļ metacarpos (no centro da m√£o).
  • Indica√ß√£o: Dor cora√ß√£o; sede; calor; anorexia; ansiedade; solu√ßo; depress√£o; pregui√ßa; cansa√ßo.
‚ÄúTRIPLO AQUECEDOR‚ÄĚ
  • TA5: Localiza-se a 2 dedos acima da dobra dorsal do pulso, entre o r√°dio e a ulna.
  • Indica√ß√£o: Cefal√©ia; dor na nuca; adormecimento e paralisia dos dedos; dor intercostal; surdez.
‚ÄúVES√ćCULA BILIAR‚ÄĚ
  • VB20: Localizado abaixo da base do occipital, fora da nuca, na margem do cabelo.
  • Indica√ß√£o: dor de cabe√ßa; dor na nuca; tontura; vertigem; hipertens√£o; enxaqueca; ins√īnia.
  • VB38: Localiza-se a 4 polegadas acima do mal√©olo externo, fora da t√≠bia, em cima do per√īnio.
  • Indica√ß√£o: Enxaqueca; espasmo muscular; sensa√ß√£o de frio na regi√£o lombar.
‚ÄúF√ćGADO‚ÄĚ
  • F3: Localizado no dorso do p√©, no √Ęngulo formado pelo 1¬ļ e 2¬ļ metatarsianos.

Pa√≠ses como os Estados Unidos, Inglaterra, Jap√£o, Austr√°lia, Su√≠√ßa e Canad√°, entre outros, j√° tem legisla√ß√£o pr√≥pria para o exerc√≠cio da Acupuntura. A Acupuntura brasileira deve ser abrangente em todos os sentidos: social, t√©cnico e acad√™mico. Entretanto, o modelo mais compat√≠vel com a acupuntura brasileira √© a dos Estados Unidos, pelo alto n√≠vel t√©cnico, abrang√™ncia social e, sobretudo, pelo respeito constitu√≠do pela tradi√ß√£o no qual a legisla√ß√£o n√£o vem a reboque dos fatos. N√£o se pode, no nosso pa√≠s, aceitar os privil√©gios negociados, as regalias asseguradas e as reservas econ√īmicas de mercado, principalmente naqueles segmentos que p√Ķem em risco a sa√ļde e a educa√ß√£o da popula√ß√£o. A tentativa de sufocamento das novas profiss√Ķes no Brasil e daqueles que ainda est√£o por surgir, visando perpetuar o status que de uma minoria, custar√° alto pre√ßo social para nossa na√ß√£o no limiar do s√©culo XXI.

QUEM EST√Ā HABILITADO PARA EXERCER A ACUPUNTURA NO BRASIL

Uma das d√ļvidas que mais afligem aos profissionais que desejam uma especializa√ß√£o em acupuntura √© sobre o exerc√≠cio profissional. Se voc√™ busca informa√ß√Ķes sobre a pr√°tica da acupuntura no Brasil, veio ao lugar certo. Uma grande celeuma encontra-se instalada junto aos meios de comunica√ß√£o e nos setores de sa√ļde, deixando a popula√ß√£o confusa quanto ao assunto. Independente de qualquer pol√™mica divulgamos esta nota como um retrato, puro e simples, da verdade jur√≠dica da quest√£o.

A prática da acupuntura, até o momento, não possui nenhuma forma de regulamentação.
Isto significa que o emprego da acupuntura é inteiramente livre no Brasil, seja como tratamento principal seja como coadjuvante a qualquer outro, denominado convencional.

Desde o come√ßo do ano de 2000 muitos m√©dicos t√™m dado informa√ß√Ķes ao p√ļblico afirmando que ela transformou-se "numa especialidade m√©dica", causando uma enorme confus√£o junto √† popula√ß√£o. O que ocorreu foi o seguinte: o Conselho Federal de Medicina, em 1995, reconheceu a acupuntura como uma terap√™utica pass√≠vel de ser utilizada tamb√©m por m√©dicos, autorizando-os a empregarem a t√©cnica das agulhas e introduzindo cursos de acupuntura, em n√≠vel de p√≥s-gradua√ß√£o (ou especialidade), em algumas escolas de medicina.

No começo de 2000 um grupo de médicos que utilizam a acupuntura, reunidos na Sociedade Médica Brasileira de Acupuntura - SMBA, conseguiu fazer aprovar no Senado um texto substitutivo a um antigo projeto de lei em tramitação, cuja nova redação pretendia reservar o emprego da acupuntura exclusivamente para médicos, dentistas e veterinários.

Eles chegaram a acreditar que conseguiriam fazer o Congresso aprovar, sob regime de urgência, este texto substitutivo. Mas isso, de fato, não ocorreu, uma vez que muitos parlamentares se colocaram em oposição a este monopólio profissional e verdadeiro absurdo do ponto de vista científico.

De modo que, at√© o momento, a pr√°tica da acupuntura ainda n√£o disp√Ķe de uma legisla√ß√£o espec√≠fica ou abrangente.

N√£o acredite, portanto, em qualquer afirmativa feita por profissionais ou pela m√≠dia, de que este ou aquele setor det√™m exclusividade sobre a acupuntura ou que ela possua qualquer regulamenta√ß√£o, norma ou restri√ß√£o de emprego - salvo, √© claro, quanto √†s suas indica√ß√Ķes terap√™uticas - por qualquer tipo de profissional qualificado para tanto.

E entre os acupunturistas hoje habilitados voc√™ encontra biom√©dicos, farmac√™uticos, fisioterapeutas, psic√≥logos, fonoaudi√≥logos, veterin√°rios, e muitos outros terapeutas ligados ao setor da sa√ļde, bem como os m√©dicos e os acupunturistas de forma√ß√£o oriental.

Qualquer profissional que não seja médico é aqui denominado acupunturista, independentemente de possuir ou não uma diplomação de terceiro grau.

Vale frisar que o Conselho Federal de Fisioterapia foi o primeiro a autorizar seus integrantes a utilizarem a acupuntura, em 1985. Seguiram-se os Biom√©dicos, em 1988, os Enfermeiros e os M√©dicos em 1995. De modo que, bem antes dos m√©dicos, outros conselhos de sa√ļde j√° reconheciam a terap√™utica das agulhas como eficiente e criaram cursos de especializa√ß√£o (p√≥s-gradua√ß√£o) em suas respectivas escolas.

OS ACUPUNTURISTAS EXIGEM RESPEITO PROFISSIONAL

Durante anos os acupunturistas brasileiros foram simplesmente ignorados, seja pelos setores oficiais da sa√ļde seja pelos profissionais que nela trabalham. O primeiro setor oficial a ela aderir foi o dos fisioterapeutas, cujo Conselho reconheceu a t√©cnica em 1985. Posteriormente os biom√©dicos foram tamb√©m autorizados pelo seu Conselho. Somente em 1995 os m√©dicos reconheceram a acupuntura como uma terap√™utica, ocasi√£o em que o Conselho Federal de Medicina os autorizou ao emprego.

Cresceram muito, desde ent√£o, as disputas no campo profissional. Um grupo de m√©dicos radicais, reunidos na Sociedade M√©dica Brasileira de Acupuntura - SMBA, colocou-se √† frente de um movimento que pretende o monop√≥lio da acupuntura exclusivamente para a classe m√©dica. Diversos anteprojetos de lei tramitam no Congresso Nacional, objetivando regulamentar a profiss√£o. Aquele apresentado pelo deputado Walmir Campello, em 1995, possu√≠a muitas chances de seguir em sua arrastada tramita√ß√£o pelas comiss√Ķes da casa, vindo finalmente a atender esta antiga reivindica√ß√£o dos acupunturistas brasileiros.

A SMBA, por√©m, em maio do corrente ano, contando com a relatoria do senador m√©dico Geraldo Althoff, conseguiu fazer aprovar um substitutivo ao anteprojeto original. Por esta nova proposta apenas m√©dicos, veterin√°rios e odont√≥logos poderiam empregar a acupuntura, tornando-se ela vedada aos demais profissionais do setor da sa√ļde. Tendo passado pela Comiss√£o de Educa√ß√£o, o anteprojeto encontra-se, no momento, na Comiss√£o de Constitui√ß√£o e Justi√ßa e tem como relator o senador ga√ļcho Jos√© Foga√ßa. Dal√≠, quando votado, o anteprojeto voltar√° √† C√Ęmara dos Deputados, seu local de origem, para novas vota√ß√Ķes. De modo que se torna imposs√≠vel e imprevis√≠vel qualquer progn√≥stico sobre um prazo para sua aprova√ß√£o e conseq√ľente transforma√ß√£o em lei.

Para conseguir tais mudanças no anteprojeto Campello, a SMBA não mediu esforços, armando um verdadeiro lobby com várias frentes de atuação. Sua estratégia básica foi centrada em três pontos:

  1. considerar a coloca√ß√£o de agulhas como um ato cir√ļrgico;
  2. enfatizar a necessidade de diagnóstico clínico para a prescrição de acupuntura;
  3. desqualificar os demais profissionais, como incompetentes para uso da técnica.

Os tr√™s argumentos carecem, inteiramente, de solidez; pois n√£o possuem bases reais ou cient√≠ficas que os sustentem. A t√©cnica de inser√ß√£o de agulhas √© empregada h√° mais de 5 mil anos na China e demais pa√≠ses asi√°ticos e, em nenhum deles, √© considerada um ato cir√ļrgico, nos padr√Ķes ocidentais que a SMBA pretende fazer crer. H√°, sem d√ļvida, a necessidade de uma forma√ß√£o espec√≠fica e um treinamento adequado para se proceder tal manipula√ß√£o; mas nada que se compare com a necessidade de uma forma√ß√£o m√©dica para realiz√°-lo. Tanto a Organiza√ß√£o Mundial de Sa√ļde quanto os pa√≠ses modernos e do primeiro mundo reconhecem esta caracter√≠stica da acupuntura, e nem nos EUA, Inglaterra, Canad√°, Fran√ßa, It√°lia, Su√≠√ßa e tantos outros a acupuntura √© uma pr√°tica exclusiva de m√©dicos.

A quest√£o do diagn√≥stico √© inteiramente fora de prop√≥sito, uma vez que a Medicina Tradicional Chinesa constitui-se numa terapia energ√©tica, cujos padr√Ķes de refer√™ncia nada possuem em comum com os ocidentais. Ela possui um modo de avalia√ß√£o pr√≥prio, inteiramente distinto dos exames laboratoriais ou outros m√©todos utilizados no Ocidente, descaracterizando inteiramente esta reivindica√ß√£o da SMBA.

Privilegiar o diagnóstico ocidental foi um modo hábil que a classe médica encontrou para tentar o monopólio. Enfatizá-lo, neste contexto, é apenas empregar um argumento dito "científico" para desqualificar os demais profissionais.

Para desenvolver a terceira estratégia tudo tem sido empregado pela SMBA: desde matérias pela mídia até merchandising em novela de televisão. Qualquer espaço que possibilite externar uma opinião tem sido por eles ocupado para denegrir, difamar, acusar e tentar impedir a continuidade de trabalho dos demais profissionais. Pretendem , pelo achincalhe, desqualificar todos os que representem obstáculos à sua escalada monopolizante.

A hora, portanto, √© de rebater estas informa√ß√Ķes e afirmar nossos direitos. Somos profissionais s√©rios, honrados, bem qualificados e pretendemos, t√£o somente, alcan√ßar uma regulamenta√ß√£o justa e democr√°tica, que albergue todos os profissionais nela qualificados e que contemple as diferen√ßas que a Medicina Tradicional Chinesa possui em rela√ß√£o √† medicina ocidental. Se voc√™ √© um acupunturista, adira a esta campanha e ajude a promover a√ß√Ķes conseq√ľentes no rumo de nossos objetivos. Se voc√™ √© um usu√°rio de acupuntura, ajude a divulgar a verdade sobre sua situa√ß√£o e emprego e n√£o se intimide em procurar um acupunturista para realizar seu tratamento. Se voc√™ √© apenas p√ļblico interessado, n√£o compactue com a mentira, a tergiversa√ß√£o e fique de olho aberto antes de engolir qualquer explica√ß√£o. Argumentos ditos "cient√≠ficos" podem estar acobertando, grande n√ļmero de vezes, apenas interesses inconfess√°veis...

PORTANTO, N√ÉO PERMITA NENHUM TIPO DE COA√á√ÉO DE SEU EXERC√ćCIO PROFISSIONAL. CASO SOFRA QUALQUER ESP√ČCIE DE DISCRIMINA√á√ÉO EXIJA SEUS DIREITOS E COMUNIQUE AS ASSOCIA√á√ēES E SINDICATOS DE ACUPUNTURISTAS ESPALHADOS POR TODO O BRASIL.

Este endereÁo de e-mail estŠ sendo protegido de spam, vocÍ precisa de Javascript habilitado para vÍ-lo


OBSERVA√á√ēES
  • Dependendo do n√ļmero de interessados nos Cursos, o CECTH reserva-se ao direito de alterar datas, hor√°rios ou mesmo cancelar o programa;
  • Vagas limitadas ‚Äď Favor confirmar a inscri√ß√£o at√© uma semana antes do in√≠cio do curso pretendido;
  • Nossos cursos enquadram-se na categoria de CURSOS LIVRES, n√£o estando, pois, sob a tutela do MEC (Minist√©rio da Educa√ß√£o), n√£o sendo reconhecido por este, inexistindo tal obrigatoriedade nesta classifica√ß√£o;
  • Em poder de nosso certificado, o profissional poder√° montar seu pr√≥prio consult√≥rio, trabalhar em hospitais, cl√≠nicas, academias, fazer atendimentos a domic√≠lio, etc;
  • Pr√°tica supervisionada em nosso AMBULAT√ďRIO;
  • Possibilidade de participa√ß√£o nos projetos de "RESPONSABILIDADE SOCIAL" de nossa empresa;


GOSTAR√ćAMOS DE AGRADECER A TODOS NOSSOS AMIGOS A AUTORIZA√á√ÉO PARA EXPOSI√á√ÉO DE SUAS IMAGENS EM NOSSO SITE.


OBSERVAÇÃO IMPORTANTE

Todas estas técnicas são alternativas,
para a melhoria de sua qualidade de vida,
não devendo substituir o tratamento médico.

Você é muito importante para nós!!!

AMBULAT√ďRIO - Visite nossos Ambientes de Aprendizagem

A bibliografia que utilizamos para desenvolver esta página é encontrada no link BIBLIOGRAFIA neste site.


DADOS PARA DEP√ďSITO BANC√ĀRIO

Após realizar o depósito, entrar em contato conosco através do telefone (21) 3155-7984 / 99628-6385
Fazemos um convite para que venha conhecer nossas instala√ß√Ķes antes de efetuar o dep√≥sito.

BANCOS PARA DEP√ďSITO EM CONTA CORRENTE

Favorecido: CECTH ‚Äď Centro de Estudos do Corpo e Terapias Hol√≠sticas S/C Ltda.

BANCO ITAU

Ag. 6104 CC: 78134-6

 

Aceitamos:

visa