TOQUES DE DO-IN

Imprimir Por Administrador 11/07/2009

TOQUES DE DO-IN

FONTE: acesse o link

Toques do do-in

De dor de cabeça a frigidez, a cura pode estar nas mãos

TOQUES DE DO-INO toque, um instinto do ser humano, pode trazer inúmeros benefícios ao corpo e à mente. E os chineses já sabiam disso há alguns milhares de anos, quando começaram a desenvolver o Do-In, uma técnica de automassagem. Por meio dela, a pessoa pressiona com o polegar pontos específicos do seu corpo, com o objetivo de fazer fluir energia vital. O estímulo desses fluxos serviria tanto para ajudar na cura de problemas que vão da dor de cabeça à frigidez, até a desenvolver o equilíbrio emocional, a auto-estima e o autoconhecimento.

Do-In significa "caminho de casa". A casa seria uma referência ao processo de autoconhecimento envolvido na técnica. Rodolfo Correa de Lima, diretor do Centro de Estudos do Corpo e Terapias Holísticas (CECTH), explica que o Do-In é uma técnica muito parecida com o Shiatsu e a Acupuntura, que trabalha com a idéia de meridianos traçados sobre o corpo. No Do-In são trabalhados 14 desses meridianos: 12 principais e dois extras, que regulam o funcionamento dos outros.

É nesses meridianos que a energia Yin (negativa) e a Yang (positiva) circulam, e o Do-In pretende fazer com que isso aconteça de forma equilibrada. Segundo Rodolfo, o universo é constituído de uma energia cósmica primordial, da qual derivam todas as coisas existentes, e é o ser humano que regula essa energia. Já a medicina contemporânea, que utiliza cada vez mais o Do-In e demais terapias alternativas, ampara os benefícios da técnica em explicações que envolvem basicamente o poder de comunicação do sistema nervoso.

Aderson Moreira da Rocha, clínico médico e presidente da Associação Brasileira de Ayurveda (que significa medicina chinesa), conta que o Do-In atualmente pode ser dividido em duas linhas: a Oriental e a Ocidental. A Oriental é aquela baseada na tradição chinesa, que acredita nos benefícios trazidos pelos fluxos de energia já a Ocidental utiliza o Do-In com o objetivo de estimular as milhares de terminações nervosas acessíveis no corpo humano, sobretudo nas extremidades. Essas terminações são responsáveis pela liberação dos neuropeptídeos: proteínas que atuam como mensageiras naturais, transmissoras de informações capazes de afetar a fisiologia, a ponto de solucionar problemas e trazer bem-estar.

Em ambas as linhas, acredita-se que cada ponto pressionado possui uma função específica. Para dor-de-cabeça, por exemplo, o ponto a ser pressionado fica no dorso da mão, entre o polegar e o indicador. Rodolfo ressalta que o Do-In, quando utilizado com o objetivo de ajudar na cura de algum problema, não descarta o acompanhamento médico. Ele revela ainda que a maioria das pessoas procura o seu curso buscando soluções para problemas de coluna. "Mas encontram elementos além da cura, porque adquirem também mais auto-estima, e passam a observar melhor a sua alimentação, o estilo de vida, até a forma como respiram", esclarece.

"O Do-In é uma terapia barata, segura e sem contra-indicações", acrescenta. E, além disso, não apresenta restrições de idade. O próprio Rodolfo esteve à frente de um curso para a terceira idade, oferecido recentemente pela Prefeitura de Duque de Caxias, no Rio de Janeiro. Severina de Oliveira, de 74 anos, foi uma das alunas. "Adorei. Aumentou muito a levantar o meu astral", garante ela.

Para quem quer começar a fazer o Do-In, basta procurar um curso, como os oferecidos pelo CECTH, ou uma das inúmeras publicações sobre o assunto. Rodolfo, no entanto, ressalta que todos nós praticamos diariamente o Do-In, mesmo sem saber. "Um abraço, uma massagem que você faz em um ponto dolorido e até o cuidado com o tipo de alimento que consome já é uma espécie de Do-In, ou seja, um auto-estímulo ao seu corpo e a sua mente", diz o especialista.

Serviços:

CECTH - Centro de Estudos do Corpo e Terapias Holísticas
www.cecth.com.br
Sede - Rua Enes de Souza, 35 Tijuca - Rio de Janeiro - RJ CEP: 20.510-210
Tel.: (21) 2570-1180 / 2570-1205 / Cel.: (21) 9628-6385 / e-mail: Este endereço de e-mail está sendo protegido de spam, você precisa de Javascript habilitado para vê-lo