Tratamento Moxabustão

Imprimir Por Administrador 03/12/2007

MENSAGEM PARA 2015

Prezado (a) Amigo (a), como vai?
Chamo-me RODOLFO CORREA LIMA e sou Presidente do CECTH – Centro de Estudos do Corpo e Terapias Holísticas S/C Ltda.
Faço um convite para que venha conhecer nossa empresa.




Saiba mais, clique no link


INTRODUÇÃO

MOXABUSTÃO, A SAÚDE ATRAVÉS DO CALOR

Técnica que utiliza os princípios da Acupuntura é uma das soluções mais antigas da humanidade para combater as dores.

ORIGEM

A Acupuntura teve sua origem na China entre as tribos no período da Idade da Pedra. Nessa sociedade primitiva as pessoas viviam em cavernas úmidas e freqüentemente lutavam entre si e com animais selvagens e, como as dores eram resultantes lógicas da vida que eles levavam, instintivamente esfregavam e massageavam a área afetada para aliviá-las. Com o desenvolvimento da tecnologia foi moldado um instrumento pontudo de pedra bruta chamado Bian, que era usado para bater levemente e perfurar a pele em locais pré-determinados com o objetivo de tratar e sanar as dores.

A cauterização, da qual deriva-se a Moxa, foi um desenvolvimento que se seguiu à descoberta do fogo. Considera-se que o aquecimento e a sensação de bem estar que o fogo propiciava à vida na caverna fria e úmida, assim como as curas fortuitas que ocasionalmente aconteciam ao toque de um carvão aceso ou pedaço de lenha em brasa, certamente foram os primórdios da cauterização.

O que distingue essas habilidades primitivas chinesa das de outros povos é a extensão de seu conseqüente desenvolvimento dentro da estrutura formal na tradicional fisiologia e patologia.

Quanto aos instrumentos da acupuntura, provenientes da agulha de pedra original, uma sucessão deles espelham a evolução da sociedade e tecnologia. As agulhas relativamente mais finas foram moldadas de ossos com a ajuda de ferramentas de pedra, estas eram usadas tanto na costura como no tratamento da Acupuntura. Havia também agulhas feitas de bambu. As agulhas de cerâmica foram introduzidas com o aparecimento desta técnica na cultura Yang Shao do período Neolítico tardio, um pouco posterior à 2000a.C.

O uso das agulhas de metal iniciou na Idade do Bronze durante a dinastia Shang, aproximadamente 1600 a.C., e cresceu com a introdução subseqüente do ferro. Durante os nefastos períodos de guerra (séc.Va.C.) progressos na metalurgia tornaram possível a manufatura de agulhas de aço de qualidade bem mais fina e leve. Atualmente, a maioria das agulhas de Acupuntura é confeccionada de aço inoxidável, cuja durabilidade e custo relativamente baixo tornam-na preferível a outros metais.

A cauterização e aquecimento da pele como método de cura usava, originalmente, ramos de arbustos e outros materiais combustíveis comuns. O uso da Moxa como principal substância de combustão data do ultimo período Chou em que, geralmente, utilizava-se o método da cauterização direta, aplicando a moxa diretamente sobre a pele. Num desenvolvimento posterior, o pó da Moxa seca passou a ser triturado e enrolado em forma de bastão ou charuto, para ser seguro em uma de suas pontas com a mão e acesa a outra extremidade a uma distância pequena da pele de modo a produzir calor suave. Este método ainda é o mais praticado.

APLICAÇÕES

As funções terapêuticas tanto da Acupuntura quanto da Moxa resultam do estímulo de pontos especiais (pontos de Acupuntura) e canais de energia. O tratamento é capaz de atacar doenças de obstrução que incluem atrofia e bloqueio, regulando as funções dos órgãos com o fortalecimento da deficiência e dispersão do excesso. O efeito da Moxa é semelhante ao da Acupuntura, ambas agem estimulando os pontos para fortalecer a circulação de energia e sangue, sendo que a diferença primária é que a Acupuntura utiliza-se de agulhas e a Moxa de calor local.

Preparo

As folhas frescas da planta são colhidas na primavera e expostas ao sol para secar, em seguida são trituradas, examinadas e filtradas para remoção de areia ou talos mais grosseiros, posteriormente, novamente postas ao sol. Esse processo é repetido até que se obtenha a consistência desejada que é de um pó fino, macio e branco. A Moxa que deve ser usada diretamente sobre a pele (método direto) deve ser extremamente fina, para que possa ser amassada e moldada com as mãos em minúsculos cones, firmes e que não se desfaçam, enquanto que para o uso indireto (sem encostar na pele) não precisa ser tão fina.

O uso do bastão ou cilindro de Moxa foi desenvolvido na Dinastia Ming como um método conveniente, com consumo menor de tempo e com controle maior do que outras formas de Moxa. Diferentemente dos outros métodos, a Moxa seca não é colocada diretamente na superfície da pele, nem é moldada em formato de pequenos cones, o pó é enrolado fortemente em um papel especial com cerca de 15 cm de comprimento. O pó de outras ervas normalmente também são misturados com a Moxa. Os bastões de Moxa mais usados contém 24g de Moxa e 6g de pó feito de quantidades iguais das seguintes ervas moidas: canela, gengibre seco, canela da índia, pimenta sichuan, realgar, saussuea lappa, angélica sp., asarun sieboldi, angélica dahurica, atractyodes iancea, mirra e olíbano.

*Getúlio Taigen é monge Zen Budista. Tel.(21) 9684 7831
http://www.uol.com.br/bemzen/ultnot/terapias/ult492u27.htm

Moxabustão

Cartela de adesivos com
Artemísia. 

Moxabustão

Sal grosso e cone de moxa
no umbigo. 

Moxabustão

Acupuntura com moxa.

Moxabustão

Incenso de artemísia para
estímulo em pontos auriculares.

Moxabustão

Nas suas experimentações, os antigos povos Orientais
descobriram a planta ideal para a moxa:
a artemísia.

Moxabustão

Materiais usados para Moxabustão:
Lã de artemísia, bastão, cartela,
incenso, bastão sem fumaça, gengibre e alho. 

Moxabustão

Cigarro de moxa.

Moxabustão

Aplicação de cones de artemísia com gengibre.

A MOXA E SEUS TIPOS

Jiu Fa - Método de Queimar
Moxibustão
Moxabustão

DEFINIÇÃO

É um método terapêutico que usa a termo-estimulação sobre os pontos dos canais e colaterais para tratar e prevenir doenças.

CURIOSIDADE

Moxa é um termo que deriva do português Mechia e do japonês Mogussa. Devemos lembrar que os jesuítas tiveram influência em várias partes da china, onde resultou que a palavra mechia foi usada no lugar de Jiu já que esta técnica lembra uma mecha queimando; e no Japão quando um francês estava aprendendo a técnica, ele perguntava ao japonês que o ensinava do que se tratava, este respondia que era mogussa uma erva usada pelos japoneses no lugar da artemísia vulgaris. Como o francês não entendia do que se tratava, o japonês tentou explicar em francês, bustion, bustion; daí o termo se propaga como Moxabustão que é a soma de mogussa + bustion.

Bem, após esta introdução, vamos a um pequeno glossário dos termos chineses, já que um dos intuitos deste texto é desfazer algumas confusões:

  • Ai - Artemísia Vulgaris, moxa;
  • Ai Rong - Folhas de moxa;
  • Ai zhu - Cone de moxa, pode ser pequeno, médio e grande;
  • Ai Tiao - Moxa em bastão;
  • Ai Tiao Jiu - Aplicação de calor moderado;
  • Que Zhuo Jiu - moxa em bicada;
  • Wen He Jiu - Calor moderado e constante;
  • Ai Jie Jiu - Moxa direta;
  • Ban Hen Jiu - Moxa que produz cicatriz;
  • Jian Jie Jiu - Moxa Indireta;
  • Ge Jiang Jiu - Moxa com gengibre;
  • Ge Suan Jiu - Moxa com alho;
  • Ge Yan Jiu - Moxa com Sal;
  • Fu zi bing jiu - Moxa com acônito;
  • Wen Zhen Jiu - Agulha aquecida;

Como podemos ver, ao usar o estímulo de calor sobre determinadas áreas do corpo, estes podem ser realizados de diferentes maneiras, moxa direta com cicatriz e sem cicatriz, moxa indireta isolada, com gengibre, com alho, com sal, com acônito, moxa cilíndrica ou bastão de moxa, agulhas aquecidas, caixa de moxa etc. Quanto a importância do uso desta técnica, encontramos em alguns textos antigos da Medicina Tradicional Chinesa, relatos que demonstram a importância dada ao uso da moxa:

Ling Shu cap. 73
“O que não pode ser tratado com agulha deve ser tratado com moxa".
Su Wen cap.12
“O resfriamento das vísceras trás a doença de repleção, as quais são adequadas as moxas que vêm do Norte”.
Esta referência do Su Wen é que, geograficamente, a moxa vem do norte da china onde o clima é muito frio.

ARTEMÍSIA VULGARIS é o combustível da moxa que vem da família da Compositae e é assim classificada pela Medicina Tradicional Chinesa:

  1. Odor- Picante
  2. Natureza – Amarga
  3. Canais que atua - Pulmão, Fígado, Baço e Rim
  4. Ação - Aquecer os canais e colaterais, dispersar o frio, cessa a hemorragia, elimina dores, cessa tosse e acalma asma, leucorreias por frio, útero vazio (infertilidade), lombalgias e opressão torocoabdominal.
CUIDADOS
  1. Não aplicar moxa em síndromes de calor com deficiência do Yin ( Menopausa) ou febre alta.
  2. Não produzir cicatrizes com uso da moxa.
  3. Não usar moxa lombosacra em mulheres grávidas.
  4. Use sempre moxa de boa procedência, cheque a pureza da lã da moxa ou do cilindro.
  5. Procure sempre seguir os princípios básicos de diagnóstico e tratamento da Medicina Tradicional Chinesa e lembre-se a clínica é sempre soberana, faça sempre um bom exame clínico ou encaminhe a um médico antes de seguir o tratamento.

Texto extraído do site http://www.mrma.com.br/index3.htm
Professor Cláudio Lopes
Especialista em Medicina Tradicional Chinesa pela Universidade de Havana
Pós Graduado em Acupuntura Tradicional Chinesa pela Universidade de Ribeirão Preto.

MOXABUSTÃO

É denomInado moxa um material com folha de artemísia moÍda e preparado sob a forma de bola de aLgodão; ela é utilizada para queimar sobre o ponto de aplicação. Visa-se com isso, provocar, através do calor, a estimulação do local. Esse método é denominado moxabustão.

Além desse método de estimulação, há outros que atualmente também recebem o nome de moxabustão. São processos que utilizam outras energias físicas tais como: raios infravermelhos, energia elétrica, raio laser, etc. que, através do calor, provocam o mesmo efeito da moxa.

A moxabustão consiste em se tratar às enfermidades através do calor produzido por um bastão de moxa, feito com folhas secas de artemísia reduzidas a pó. Tem a propriedade de destruir os acúmulos energéticos nos pontos dos meridianos, promovendo assim o perfeito funcionamento dos órgãos.

A moxa é utilizada com a aplicação direta do pó de artemísia (erva-de-são-joão) no ponto desejado. Queima-se o cone do pó de cima para baixo até que o cliente perceba o calor na pele. Pode-se repetir as aplicações de três a cinco vezes, sendo comum também o uso de alho e gengibre entre a base do cone e a pele.

Aplica-se a moxa praticamente nos mesmos pontos utilizados pela acupuntura, mas só nos casos de desequilíbrios que têm origem numa deficiência de energia Yang ou de Ki em geral.

Mostra-se muito eficaz no trabalho de debilidades orgânicas, problemas musculares e ósseos, certas formas de artrite e distúrbios nervosos – todos provocados por excesso de Yin. Trata-se de um tratamento tonificante e como tal de aplicação não recomendável nos pontos de região da cabeça e do coração, bem como nas proximidades dos grandes vasos sanguíneos e órgãos sexuais.

Para que surtam os efeitos desejados é necessário o emprego da erva apropriada, a artemísia. O tabaco e outras ervas quase não têm ação alguma.

Qualquer pessoa pode aplicar a moxa desde que saiba reconhecer os pontos onde está ocorrendo o bloqueio energético. O mais prático é fazê-las nos pés.

PREPARAÇÃO DE FOLHAS DE ARTEMÍSIA

A natureza das folhas de artemísia, de acordo com a descrição dos arquivos da literatura chinesa, apresenta um sabor amargo e origina calor natural de Yang que, ao descobrir o fluxo energético dos meridianos, trata a Síndrome do frio e Umidade, aquece o útero, regula a menstruação e diminui o risco de abortos.

Antigamente, as folhas de artemísia eram colhidas no fim da primavera e colocadas ao sol para secar. Posteriormente, eram moídas em minúsculos fragmentos semelhantes a fios de algodão. Esse material deve ser conservado numa caixa em local seco, pois sua qualidade aumenta à medida que o tempo passa.

TIPOS DE MOXABUSTÃO

Desde a antiguidade, a moxa tem sido aplicada em muitas experiências clínicas.

INTENSIDADE DO GRAU DA QUEIMADURA
  • 1º grau: realizar queimaduras até que a pele do local se apresente com eritema (rubor congestivo da pele). É a moxabustão sem cicatriz.
  • 2º grau: queimadura com formação de bolha, com posterior cicatrização e permanência da mesma.
CONE DE MOXA

É preparado numa superfície plana usando-se os dedos indicador, polegar e médio, para comprimir a moxa entre os dedos, fazendo-a tomar a forma de um cone.
Pode ser feito com base em três tamanhos diferentes:

  • Grande: 2,0 cm;
  • Médio: 1,0 cm;
  • Pequeno: 0,5 cm.

Sendo que os mais usados são o médio e o pequeno.

MATERIAL DE CONTATO COM A PELE

1. CONE DE MOXA

Pode ser dividido em moxabustão direta ou indireta.

  • MOXABUSTÃO DIRETA: Colocação do cone de moxa diretamente sobre a pele para queimar.
  • MOXABUSTÃO INDIRETA: Usa-se uma fatia de Gengibre, de Alho, de Cenoura, ou mesmo uma pequena camada de sal entre a pele e o cone de moxa aceso. Esse é um dos métodos mais usados (fig 96 b).

2. BASTÃO DE MOXA

O bastão aceso é colocado diretamente sobre o ponto, mas sem manter contato com a pele (fig 96 c).

Moxabustão

3. PREPARAÇÃO DO BASTÃO DE MOXA

É usado em pedaços de papel com mais ou menos 6 polegadas de largura, distribuindo certa quantidade de moxa ao longo de uma das extremidades; em seguida, dobram-se as duas extremidades do papel e enrola-se o mesmo até tomar a forma de bastão, com mais ou menos 1,5 cm de comprimento.

O bastão de moxa é comprado já pronto. Essa forma de bastão é apenas para o transporte da moxa, embora alguns terapeutas a utilizem acendendo diretamente e aplicando no ponto desejado. Com isso há um grande desperdício de moxa, já que o bastão é muito grande.
Particularmente, gostamos de utilizar o papel próprio para cigarro de palha (encontrado em qualquer bar ou armazém que venda fumo de rolo). Pega-se a artemísia e coloca-se no papel, e enrola-se, ajustando a artemísia com um palito, socando bem e enrolando para ficar bem roliço e firme, como se fosse fazer um cigarro de palha.

4. MOXA ACESA

MoxabustãoÉ colocada dentro de um tubo com fundo de peneira e deve-se aplicá-la levemente sobre o ponto, com o cuidado de não deixar que toque na pele, como a figura ao lado.

As síndromes de depleção energética e do frio requerem permanência da moxa por um período mais longo, ao contrário da síndrome de excesso energético e da síndrome do calor, que requerem um período mais curto.

  • INVERNO – Requer duração maior;
  • VERÃO – Duração reduzida;
  • CLIMA FRIO – Período de duração mais longo;
  • CLIMA QUENTE – Período de duração mais curto;
ORDEM PARA A APLICAÇÃO DE MOXA

É necessário que se observe uma ordem na aplicação de moxa. Começamos a fazer aplicações na parte anterior do corpo; em seguida, na parte posterior, obdecendo-se ainda a seguinte ordem: de cima para baixo; da esquerda para direita, em clientes do sexo feminino e, da direita para esquerda, em clientes do sexo masculino.

A aplicação pode ser feita em pontos isolados ou através de pontos combinados. Geralmente usamos uma quantidade que varia de três a sete cones de moxas, podendo atingir até dez.

Se utilizarmos o bastão de moxa, a distância entre este e a pele deverá ser mantida de forma que o ponto sinta calor local suportável; pode-se manter essa situação por um período de um a cinco minutos, chegando mesmo a vinte minutos ou mais, dependendo de cada caso.

A duração da permanência da moxa vai depender da indicação das diferentes patologias e de alguns fatores abaixo citados:

  • No dorso e abdômen, o período de duração deverá ser maior;
  • Nos membros e peito, o período deverá ser menor;
  • Na cabeça e pescoço, o período deverá ser menor ainda;
  • Em adultos e jovens, o período deverá ser mais longo;
  • Em velhos e crianças, período de tempo menor.
PRECAUÇÕES PARA MOXABUSTÃO
  1. Não se deve fazer aplicações de moxa numa pessoa com o estômago cheio. Somente 1 hora antes ou depois das refeições o tratamento pode ser aplicado. O mesmo é válido para banhos, ou seja, a aplicação deve ser feita 1 hora antes ou depois do banho;
  2. Não se aplica moxa numa pessoa que esteja com o estômago vazio, sentindo fraqueza e fome ou depois de haver tomado bebidas alcoólicas. Após as aplicações não é necessário agasalhar a pessoa, bastando apenas vesti-la normalmente;
  3. Logo após a aplicação, não se deve fazer esforço físico, nem molhar as mãos, durante aproximadamente 1 hora;
  4. Não se aplica moxa durante o período menstrual;
  5. Todas essas condições devem ser observadas criteriosamente.

OBSERVAÇÕES
  • Dependendo do número de interessados nos Cursos Livres, o CECTH reserva-se ao direito de alterar datas, horários ou mesmo cancelar o programa;
  • Vagas limitadas – Favor confirmar a inscrição até uma semana antes do início do curso pretendido;
  • Nossos cursos enquadram-se na categoria de CURSOS LIVRES, não estando, pois, sob a tutela do MEC (Ministério da Educação), não sendo reconhecido por este, inexistindo tal obrigatoriedade nesta classificação;
  • Em poder de nosso certificado, o profissional poderá montar seu próprio consultório, trabalhar em hospitais, clínicas, academias, fazer atendimentos a domicílio, etc;
  • Prática supervisionada em nosso AMBULATÓRIO;
  • Possibilidade de participação nos projetos de "RESPONSABILIDADE SOCIAL" de nossa empresa;


GOSTARÍAMOS DE AGRADECER A TODOS NOSSOS AMIGOS A AUTORIZAÇÃO PARA EXPOSIÇÃO DE SUAS IMAGENS EM NOSSO SITE.


OBSERVAÇÃO IMPORTANTE

Todas estas técnicas são alternativas,
para a melhoria de sua qualidade de vida,
não devendo substituir o tratamento médico.

Você é muito importante para nós!!!

AMBULATÓRIO - Visite nossos Ambientes de Aprendizagem

A bibliografia que utilizamos para desenvolver esta página é encontrada no link BIBLIOGRAFIA neste site.


DADOS PARA DEPÓSITO BANCÁRIO

Após realizar o depósito, entrar em contato conosco através do telefone (21) 3429-2215
Fazemos um convite para que venha conhecer nossas instalações antes de efetuar o depósito.

BANCOS PARA DEPÓSITO EM CONTA CORRENTE

Favorecido: CECTH – Centro de Estudos do Corpo e Terapias Holísticas S/C Ltda.

BANCO ITAU

Ag. 6104 CC: 78134-6

 

Aceitamos:

visa