Tratamento Ventosaterapia

Imprimir Por Administrador 03/12/2007

MENSAGEM PARA 2017

Prezado (a) Amigo (a), como vai?
Chamo-me RODOLFO CORREA LIMA e sou Presidente do CECTH ‚Äď Centro de Estudos do Corpo e Terapias Hol√≠sticas S/C Ltda.
Faço um convite para que venha conhecer nossa empresa.




Saiba mais, clique no link


A ANTIGA ARTE DA VENTOSA

No s√©culo passado, a opera√ß√£o de inspirar copos de ventosas no corpo consistia em colocar sobre a pele uma camp√Ęnula de vidro ou outras formas de inspiradores semelhantes aos copos de ventosas, ap√≥s fabricar v√°cuo pela queima do ar no seu interior, Devendo aplica-las de pronto sobre a pele para gerar suc√ß√£o no local. Este m√©todo chamado de ‚Äúventosa seca‚ÄĚ era aplicado na pele nua, causando trauma subcut√Ęneo e agindo como contra-irritante.

Outro m√©todo tamb√©m comumente aplicado era chamado de ‚Äúventosa molhada‚ÄĚ. Neste m√©todo, a pele era irritada por meio de um instrumento cortante, provocando uma leve sangria chamada de ‚Äúescarifica√ß√£o‚ÄĚ, imediatamente antes de a ventosa ser aplicada. Este m√©todo era considerado especial para se provocar sangria, sendo tamb√©m reconhecido pelos antigos m√©dicos como uma medida contra-irritante.

As medidas contra-irritantes provocam o deslocamento da dor e o efeito conhecido na medicina oriental como ‚Äúal√≠vio da superf√≠cie do corpo‚ÄĚ, muito √ļtil no combate das dores por espasmo musculares enrijecimentos musculares, reflexos causadores de falsas dores, nos rins e pulm√Ķes.

N√£o temos a id√©ia de quem fez uso da ventosa primeiro. T√™m-se informa√ß√Ķes de seu uso desde o antigo Egito.

Ela tamb√©m √© mencionada nos escritos de Hip√≥crates, e praticamente pelo povo Grego no s√©culo IV a.C.. Foi provavelmente conhecida e utilizada tamb√©m por outras antigas na√ß√Ķes.
O antigo instrumento utilizado para fazer ventosa era a caba√ßa, conhecida naquela √©poca como ‚ÄúCurubitula‚ÄĚ, que em latim significa ventosa.

Nas regi√Ķes primitivas do mundo, a ventosa tem registros hist√≥ricos que datam de centenas a milhares de anos. Nas suas formas mais primitivas, era utilizada pelos √≠ndios americanos que cortavam a parte superior do chifre dos b√ļfalos, cerca de duas e meia polegadas de comprimento, provocando o v√°cuo por suc√ß√£o oral na ponta do chifre, sendo em seguida tamponado.

Os antigos curandeiros Medicine men, com poderosos m√ļsculos faciais e agilidade, conseguiam extrair com a boca, por suc√ß√£o e logo cuspindo, o veneno injetado na circula√ß√£o sangu√≠nea por picada de cobra, aliviando a dor e c√Ęimbras do abd√īmen.

Ventosaterapia

Ventosa com aparelho manual.

Ventosaterapia

Ventosa de fogo.

Ventosaterapia

Sucção da pele com ventosa.

Ventosaterapia

Massagem com ventosa.

HIP√ďCRATES E A VENTOSATERAPIA

Hip√≥crates tamb√©m usava ambos os m√©todos de ventosa ‚Äúseca‚ÄĚ e ‚Äúmolhada‚ÄĚ como principal tratamento nas desordens menstruais.

Ele prescrevia grandes ventosas de vidro a serem aplicadas nos seios de mulheres que sofriam de menorragia. Assim como nas ‚Äúdescargas amareladas vaginais‚ÄĚ, pelo uso de ventosas durante um longo per√≠odo de tempo em diferentes partes das coxas, na virilha e abaixo dos seios.

Hipócrates era cuidadoso na prevenção da anti-sepsia após a ventosa, e adverte com o seguinte conselho:

 ‚ÄúQuando em aplica√ß√£o de ventosa molhada, se o sangue continuar a fluir ap√≥s o instrumento inspirador tiver sido removido, se o fluxo de sangue ou soro for copioso, os copos de ventosa precisam ser aplicados novamente at√© que da √°rea tratada tenha se retirado o abstrato‚ÄĚ.

De outra forma, o sangue vai coagular, retendo-se nas incis√Ķes, e √ļlceras inflamat√≥rias podem se formar.  Aconselha-se banhar estas partes em vinagre. O local n√£o pode ficar umedecido. Nunca permitir que o paciente se deite sobre as escarifica√ß√Ķes, e estas devem ser tratadas com medicamentos para feridas inflamadas.

O uso de ventosas no Ocidente antigo era um elemento terapêutico corriqueiro e de grande valor panacéico. Pois na falta de outros elementos da ciência, a ventosaterapia era utilizada praticamente na cura de todas as doenças. Como um instrumento curativo mágico em sua essência, pelo contato íntimo com o interior do corpo através do sangue. Ela era respeitada também pela sua atuação no elemento energético gerado pela respiração. Teoria que se assemelhava aos conceitos da medicina Oriental.

Celsus tamb√©m descreve aplica√ß√Ķes de ventosas no primeiro s√©culo d.C., citando que o edema subcut√Ęneo produzido pela ventosa seca consiste parcialmente de ‚Äúflatus‚ÄĚ (gases) derivado da respira√ß√£o.

Celsus adverte que a aplica√ß√£o de ventosas √© ben√©fica tanto para doen√ßas cr√īnicas como para agudas, incluindo ataques de febre, e particularmente nos estressados. Quando h√° perigo de fazer sangria, o recurso mais seguro √© aplicar nesses pacientes ventosas secas.

Ele adverte sobre a ocorrência de edema nas ventosas, sejam secas ou molhadas. Descreve ventosa seca em vários lugares para tratar paralisia, ventosas nas têmporas e na região occipital em caso de dores de cabeça prolongadas.

O USO DAS SANGUESSUGAS

Na Europa, assim como na √Āsia existiam v√°rios m√©todos modificados de sangria e escarifica√ß√£o. Na Europa a ‚Äúvenese√ß√£o‚ÄĚ ou sangria das veias era uma pr√°tica popular, enquanto na √Āsia o sangramento das dilata√ß√Ķes capilares (telangiectasias) na periferia da pele junto com ventosas era o m√©todo mais utilizado.

Entretanto, a escarifica√ß√£o e o sangramento por meio de ‚Äúsanguessugas‚ÄĚ ou atrav√©s de emplastros feitos de pastas abrasivas com batata, gengibre, etc., eram usados no Oriente.

O emprego das sanguessugas teve sua origem na Gr√©cia antiga. A sanguessuga (Hirudus medicinalis) √© um verme aqu√°tico que foi usado durante s√©culos na medicina. A id√©ia corrente era que este verme extra√≠a o sangue com ‚Äúhumores m√≥rbidos‚ÄĚ e, conseq√ľentemente, levava o paciente √† cura. O nome deste verme √© Hirudo (em latim) e h√° v√°rias esp√©cies na zoologia.

Os ‚Äúhumores m√≥rbidos‚ÄĚ seriam as toxinas e ou elementos deteriorados que se acumulam nos vasos sangu√≠neos e nos m√ļsculos enrijecidos, causando doen√ßas.

O uso das sanguessugas como terap√™utica foi comum na idade m√©dia no ocidente. Em Portugal na antiguidade, os ‚Äúbarbeiro-sangradores‚ÄĚ eram geralmente, os t√©cnicos encarregados de aplicar sanguessugas, por concess√£o de uma licen√ßa para praticar cedida pelo cirurgi√£o-mor.

Naquela √©poca, em Lisboa, foram publicados v√°rios livros sobre o assunto, e os sal√Ķes de barbear eram o local de venda das sanguessugas.

Poucos conseguiam entender, e por isso o seu uso se tornou abusivo. Em 1833, a Fran√ßa, al√©m de consumir a sua produ√ß√£o de sanguessugas, teve que importar 40 milh√Ķes do imp√©rio Russo, Turquia e P√©rsia. O seu uso indiscriminado e irrespons√°vel, ocasionando complica√ß√Ķes graves, at√© a supress√£o da classe de barbeiros-cirurgi√Ķes, e com o desenvolvimento da qu√≠mica farmac√™utica, teve o seu esquecimento total.

Atualmente, estamos resgatando o uso das ventosas, e já podemos ouvir notícias de que na Europa já estão sendo usadas, novamente, as sanguessugas nos processos de re-implante de membros mutilados, como braços, pés, dedos, orelhas e até mesmo, o pênis.

ONDE APLICAR AS VENTOSAS

O uso de ventosa no Oriente foi desenvolvido com base na acupuntura. Ela se fundamenta na cren√ßa de que a resist√™ncia contra a doen√ßa pode ser alcan√ßada, induzindo o corpo a se curar pela aplica√ß√£o de ventosas em pontos dos 14 meridianos ou em n√≥dulos de rea√ß√£o positiva. Esta fun√ß√£o reguladora √© descrita no antigo C√Ęnon de Medicina Oriental, o Nei Jing:

‚ÄúA acupuntura tem a fun√ß√£o de remover a obstru√ß√£o dos meridianos, regulando o Ki e o sangue, tendo como resposta deste fato √† harmoniza√ß√£o da hipoatividade e da hiperatividae das fun√ß√Ķes do corpo‚ÄĚ.

A ventosa tem a propriedade de limpar o sangue das toxinas acumuladas causadas pela sujeira da √°gua e dos alimentos. Pois a estagna√ß√£o do sangue coagulado, escuro e sujo, nos m√ļsculos das costas ou nas articula√ß√Ķes √© considerado pelas terapias Orientais como um dos elementos causadores de doen√ßas, sendo necess√°rio retir√°-lo para que o cliente possa se restabelecer.

A ventosa √© usada para o al√≠vio de dores musculares, melhorar o sistema circulat√≥rio e at√© mesmo, para redu√ß√£o de celulite e gordura localizada, como √© o caso da DIN√āMICA EST√ČTICA do terapeuta hol√≠stico e Acad√™mico de Fisioterapia Rodolfo Correa Lima. ‚ÄúConseguimos redu√ß√£o de 3 a 10 cent√≠metros na medida da cintura, coxas e bra√ßos. Ativamos a circula√ß√£o sangu√≠nea e linf√°tica, reduzindo a reten√ß√£o de l√≠quidos no organismo feminino. A ventosa associada com a massoterapia tem conseguido resultados impressionantes para redu√ß√£o da gordura localizada e, principalmente, das celulites‚ÄĚ.

A aplica√ß√£o de ventosas no corpo, al√©m de facilitar as trocas gasosas e regular o pH sangu√≠neo e trazer um efeito reflexo quando aplicada em pontos de acupuntura, se usada para massagear usando um meio lubrificante (√≥leos arom√°ticos), produz o ‚Äúefeito massagem‚ÄĚ.

Na estagna√ß√£o da circula√ß√£o sangu√≠nea pode se formar um quadro √°lgico com acompanhamento de manifesta√ß√Ķes na pele e m√ļsculo, como dilata√ß√Ķes capilares (telangiectasias), infiltra√ß√Ķes subcut√Ęneas, forma√ß√£o de cord√Ķes enrijecidos e n√≥dulos, assim como altera√ß√Ķes t√©rmicas locais.

MASSAGEM COM VENTOSAS

O que é massagem?

VentosaterapiaS√£o certas manipula√ß√Ķes de tecidos moles do corpo; estas manipula√ß√Ķes s√£o manobras aplicadas com as m√£os, muito efetivas, administradas com o prop√≥sito de produzir efeitos no sistema nervoso, muscular, na circula√ß√£o local e geral do sangue e da linfa.

A massagem foi primeiro descrita em 2698 a.C. por Huang-ti na China. Hipócrates foi o primeiro a usar a massagem em direção centrípeta, provavelmente baseada na observação clínica, antes da circulação sanguínea ser descorberta por Harvey 2.000 anos após. Os gregos e romanos continuaram a praticar a massagem até a queda do Império Romano.

A arte da massagem foi praticamente perdida durante a idade média, mas reviveu no século XVI através do médico francês Ambroise Paré; no século XIX, Mettzer na Holanda e Ling na Suécia ajudaram a formular um sistema científico de massagem. A 1ª e a 2ª Guerra mundial foram parcialmente responsáveis pelo aumento do uso da massagem nos Estados Unidos.

Atualmente, a massagem √© usada em tratamentos para v√°rias situa√ß√Ķes, sendo considerada um tratamento popular. N√£o restam d√ļvidas que o uso do toque humano traz um extraordin√°rio benef√≠cio, tanto f√≠sico como ps√≠quico e pode ser usado n√£o apenas para tratar doen√ßa, mas para a manuten√ß√£o do bem-estar.

Os seus efeitos s√£o: remover a pele ressecada pela abertura dos poros e pelo suor. Mecanicamente, aumenta o fluxo de sangue e da linfa, reduzindo o edema. Mant√©m a flexibilidade dos m√ļsculos, retira as ades√Ķes e as fibrosites e mobiliza as secre√ß√Ķes dos pulm√Ķes.

A aplica√ß√£o de ventosas no corpo, al√©m de facilitar as trocas gasosas e regular o Ph sangu√≠neo e trazer um efeito reflexo quando aplicada nos pontos de acupuntura, se usada para massagear usando um meio lubrificante, produz o ‚Äúefeito massagem‚ÄĚ.

Na estagna√ß√£o da circula√ß√£o sangu√≠nea pode se formar um quadro √°lgico com acompanhamento de manifesta√ß√Ķes na pele e m√ļsculos, como dilata√ß√Ķes capilares (telangiectasias), infiltra√ß√Ķes subcut√Ęneas, forma√ß√Ķes de cord√Ķes enrijecidos e n√≥dulos, assim como altera√ß√Ķes t√©rmicas locais.

Para descongestionar os bloqueios de energia, devemos ativar a circulação sanguínea, aplicando a massagem com ventosas.

OS TIPOS DE VENTOSAS UTILIZADAS
  • Ventosas coreanas inquebr√°veis
    Fabricadas em pl√°stico transparente em dois modelos diferentes, com v√°lvulas embutidas, para serem aplicadas por compressor manual, em seis tamanhos:
    1. 2,0 cm de di√Ęmetro por 4,0 cm de altura;
    2. 2,5 cm de di√Ęmetro por 4,5 cm de altura;
    3. 4,5 cm de di√Ęmetro por 5,0 cm de altura;
    4. 5,0 cm de di√Ęmetro por 6,0 cm de altura;
    5. 6,0 cm de di√Ęmetro por 7,0 cm de altura;
    6. 6,5 cm de di√Ęmetro por 8,0 cm de altura.
    Ventosaterapia
  • Ventosas chinesas de vidro
    S√£o fabricadas em vidro comum de 0,5 cm de espessura, ou em vidro tipo ‚Äúpirex‚ÄĚ de 3mm de espessura com resist√™ncia t√©rmica, para serem usadas com fogo, em tr√™s tamanhos:
    a) 8,0 cm de di√Ęmetro por 4,3 cm de altura;
    b) 7,0 cm de di√Ęmetro por 3,5 cm de altura;
    c) 6,0 cm de di√Ęmetro por 2,5 cm de altura;
    Ventosaterapia
COMO APLICAR VENTOSA DE FOGO
  1. VentosaterapiaProvidenciar várias bolinhas de algodão (de acordo com o tamanho da bolinha, é que teremos mais ou menos pressão de sucção da pele. Ou seja, quanto maior a bolinha, mais pressão);
  2. Embebede a bolinha com √°lcool;
  3. Estando a ventosa segura com uma das m√£os, coloque a bolinha em seu interior;
  4. Com um palito de f√≥sforo ‚Äúlongo‚ÄĚ, coloque fogo na bolinha e aplique imediatamente a ventosa no local desejado da pele do cliente.

Esta opera√ß√£o deve ser feita a 20 cm aproximadamente do local que se vai aplicar a ventosa. Se a dist√Ęncia for muito grande entre a ventosa e a pele, o ar ser√° aspirado no meio do caminho da aplica√ß√£o, ficando o v√°cuo fraco, n√£o resultando em boa qualidade de tratamento pela fraca suc√ß√£o, podendo a ventosa se soltar e cair. Devemos, portanto, treinar at√© alcan√ßar a velocidade e exatid√Ķes necess√°rias.

OBSERVA√á√ēES
  • Para aplicar ventosas onde ocorrem p√™los na pele, aconselha-se aumentar a quantidade de √≥leo arom√°tico, para o melhor deslize da ventosa;
  • Para retir√°-la da pele, basta exercer press√£o com o dedo na pele ao lado da borda da ventosa para que o ar possa entrar, fazendo com que se solte;
  • Evite puxar a ventosa para retira-la quando em suc√ß√£o na pele. Isso machuca o cliente.
  • O conhecimento b√°sico da atua√ß√£o da ventosaterapia deve ser considerado como um elemento que emprega apenas uma t√©cnica particular como terapia, o uso da press√£o negativa.
  • A divulga√ß√£o desta antiga arte tem a sua devida import√Ęncia entre as diversas terapias difundidas, guardando o seu uso terap√™utico no caso de aplica√ß√Ķes de ventosas sem o uso de sangria, que podem ser prejudiciais, quando aplicadas sem conhecimento ou treinamento.


Globo
Rio, 31 de Março de 2002

As terapias orientais que aliviam as dores do dengue

A maior novidade no al√≠vio das dores do dengue vem da China. √Č a t√©cnica da ventosaterapia, que ativa a circula√ß√£o atrav√©s da manipula√ß√£o de pequenos vasos ou copos de vidro (ventosas) aplicados na pele. Al√©m das ventosas, outras terapias orientais, como o shiatsu e a tui-na, est√£o tornando os dias dos doentes um pouco menos insuport√°veis.

VentosaterapiaSegundo especialistas, essas t√©cnicas podem ser aplicadas em qualquer idade e n√£o t√™m contra-indica√ß√Ķes. Al√©m de cl√≠nicas particulares, os postos municipais de sa√ļde, no Rio, aplicam massagens orientais contra o dengue. O servi√ßo j√° era oferecido a pacientes hipertensos, diab√©ticos e com dores cr√īnicas. Agora foi descoberto por pacientes de dengue.

A professora de educação física Adriana Rodrigues Barbosa descobriu no shiatsu e na ventosaterapia o alívio para o dengue:

‚ÄĒ Nos primeiros dias da doen√ßa, mal conseguia dormir porque a dor era horr√≠vel. Depois das sess√Ķes de shiatsu e de ventosaterapia, o al√≠vio foi quase imediato ‚ÄĒ conta.

A jornalista Clarissa Martins teve que adiar uma viagem à França e só achou conforto com as massagens orientais.

‚ÄĒ Meu corpo estava mo√≠do. As massagens e a ventosaterapia aliviaram as dores e melhoraram meu humor ‚ÄĒ diz.

Para o terapeuta Marcos Vin√≠cius de Almeida Gomes, presidente da Associa√ß√£o de Filosofia e Cultura Oriental do Rio, a ventosaterapia ativa a circula√ß√£o sang√ľ√≠nea, reduzindo as dores do dengue, contraturas musculares, dores cervicais e lombares, al√©m de torcicolos, comuns em quem passa horas na cama com a virose.

Na ventosaterapia, o terapeuta aquece as ventosas a serem aplicadas nas √°reas doloridas. No tratamento, aparecem marcas avermelhadas, devido √† press√£o do vidro na pele. Mas as marcas somem naturalmente em dois dias. Nas cl√≠nicas, as sess√Ķes custam R$ 50.

‚ÄĒ A press√£o feita pelo terapeuta, em movimentos verticais e circulares, ativa a circula√ß√£o, diminuindo as dores do corpo.

Cada sess√£o de ventosaterapia dura cerca de 40 minutos e pode se associada √† tui-na e ao shiatsu. N√£o h√° contra-indica√ß√Ķes ‚ÄĒ diz Marcos.

A tui-na estimula a circula√ß√£o sang√ľ√≠nea, aumenta a elasticidade da pele e melhora a drenagem venosa e linf√°tica. Esse tipo de massagem relaxa e refor√ßa o t√īnus muscular, al√©m de estimular a produ√ß√£o de endorfinas, analg√©sicos naturais do organismo.

‚ÄĒ A tui-na, baseada nos mesmos pontos do shiatsu, √© indicada para aliviar dores musculares, m√° circula√ß√£o e problemas de coluna, al√©m da ins√īnia e do estresse. Em pacientes com dengue, ela √© aplicada com um √≥leo antiinflamat√≥rio chin√™s ‚ÄĒ diz Marcos.

Com a epidemia, a procura aumentou, mas o n√ļmero de terapeutas (25) √© insuficiente. A m√©dica Cristina Barros, gerente do programa de medicina alternativa da Secretaria municipal de Sa√ļde, diz que as t√©cnicas orientais s√£o uma op√ß√£o para al√≠vio das dores:

‚ÄĒ As terapias n√£o t√™m contra-indica√ß√Ķes, mas a doen√ßa deve ser acompanhada com aten√ß√£o.

OS PR√ďS E OS CONTRAS
  1. DORES: Segundo médicos e terapeutas, as técnicas orientais podem ser aplicadas em qualquer idade. Cada sessão de ventosaterapia dura cerca de 40 minutos e pode ser associada às massagens de tui-na e ao shiatsu para o alívio das dores.
  2. MANCHAS: No tratamento de ventosaterapia aparecem algumas marcas avermelhadas, devido à pressão do vidro na pele. Mas essas manchas desaparecem naturalmente em dois dias.
  3. AL√ćVIO: Massagens como a tui na e o shiatsu relaxam e refor√ßam o t√īnus muscular, al√©m de estimular a produ√ß√£o de endorfinas, analg√©sicos naturais produzidos no organismo, aliviando a dor causada pela doen√ßa.
  4. CONTRA-INDICA√á√ēES: N√£o h√° contra-indica√ß√£o para casos de dengue. As principais contra-indica√ß√Ķes das massagens orientais s√£o doen√ßas contagiosas cr√īnicas e agudas, doen√ßas infecciosas, hemorragias, traumas, tumores malignos (n√£o se massageia √°rea de tumor), les√Ķes abertas na pele e queimaduras solares. Mulheres gr√°vidas devem consultar um m√©dico antes de iniciar o tratamento.
  5. HUMOR: As massagens ajudam a melhorar o humor. Algumas pessoas com dengue ficam muito deprimidas.

OBSERVA√á√ēES
  • Dependendo do n√ļmero de interessados nos Cursos, o CECTH reserva-se ao direito de alterar datas, hor√°rios ou mesmo cancelar o programa;
  • Vagas limitadas ‚Äď Favor confirmar a inscri√ß√£o at√© uma semana antes do in√≠cio do curso pretendido;
  • Nossos cursos enquadram-se na categoria de CURSOS LIVRES, n√£o estando, pois, sob a tutela do MEC (Minist√©rio da Educa√ß√£o), n√£o sendo reconhecido por este, inexistindo tal obrigatoriedade nesta classifica√ß√£o;
  • Em poder de nosso certificado, o profissional poder√° montar seu pr√≥prio consult√≥rio, trabalhar em hospitais, cl√≠nicas, academias, fazer atendimentos a domic√≠lio, etc;
  • Pr√°tica supervisionada em nosso AMBULAT√ďRIO;
  • Possibilidade de participa√ß√£o nos projetos de "RESPONSABILIDADE SOCIAL" de nossa empresa;


GOSTAR√ćAMOS DE AGRADECER A TODOS NOSSOS AMIGOS A AUTORIZA√á√ÉO PARA EXPOSI√á√ÉO DE SUAS IMAGENS EM NOSSO SITE.


OBSERVAÇÃO IMPORTANTE

Todas estas técnicas são alternativas,
para a melhoria de sua qualidade de vida,
não devendo substituir o tratamento médico.

Você é muito importante para nós!!!

AMBULAT√ďRIO - Visite nossos Ambientes de Aprendizagem

A bibliografia que utilizamos para desenvolver esta página é encontrada no link BIBLIOGRAFIA neste site.


DADOS PARA DEP√ďSITO BANC√ĀRIO

Após realizar o depósito, entrar em contato conosco através do telefone (21) 3155-7984 / 99628-6385
Fazemos um convite para que venha conhecer nossas instala√ß√Ķes antes de efetuar o dep√≥sito.

BANCOS PARA DEP√ďSITO EM CONTA CORRENTE

Favorecido: CECTH ‚Äď Centro de Estudos do Corpo e Terapias Hol√≠sticas S/C Ltda.

BANCO ITAU

Ag. 6104 CC: 78134-6

 

Aceitamos:

visa