Ambulatório Social Acupuntura

Por Administrador 14/08/2010

MENSAGEM PARA 2017

Prezado (a) Amigo (a), como vai?
Chamo-me RODOLFO CORREA LIMA e sou Presidente do CECTH – Centro de Estudos do Corpo e Terapias Holísticas S/C Ltda.
Faço um convite para que venha conhecer nossa empresa.




Saiba mais, clique no link


UNIDADE COPACABANA

CECTH – Centro de Estudos do Corpo e Terapias Holísticas S/C Ltda.
Avenida Princesa Isabel, 150 sala 403 Copacabana – Rio de Janeiro - RJ CEP: 22011-010

10 minutos de caminhada do Metrô Cardeal Arcoverde.

Fácil acesso com várias linhas de ônibus e Metrô. Facilidade em encontrar vagas livres na Praia do Leme.

Agendamentos e informações: (21) 2244-3816 / 99628-6385 / 99162-9069 (vivo e Watszap)

E-mail:   Este endereo de e-mail est sendo protegido de spam, voc precisa de Javascript habilitado para v-lo  
Site: www.cecth.com.br 
Facebook: https://www.facebook.com/profile.php?id=100002168063373&sk=about




Diante das inúmeras solicitações, Prof. RODOLFO CORREA LIMA, decidiu dedicar 01 dia por semana para os ATENDIMENTOS SOCIAIS de ACUPUNTURA e QUIROPRÁTICA.

Desta forma realizamos nossa RESPONSABILIDADE SOCIAL junto a comunidade.


AMBULATÓRIO DE ACUPUNTURA (em breve)

Para maiores informações liguem para nossos telefones: (21) 2244-3816 ou 99628-6385

CONTRIBUIÇÃO R$ 30,00 (trinta reais)


LOCAL
CECTH – Centro de Estudos do Corpo e Terapias Holísticas S/C Ltda.
Avenida Princesa Isabel, 150 sala 403 - Copacabana - Rio de Janeiro RJ
Tel: (21) 2244-3816 / 99628-6385
www.cecth.com.br


Dias: AINDA NÃO DEFINIDO
Horário: 
AINDA NÃO DEFINIDO


OBSERVAÇÃO


Profº RODOLFO CORREA LIMA – (Reg. Sec. Saúde RJ-7037/96)

e-mail: Este endereo de e-mail est sendo protegido de spam, voc precisa de Javascript habilitado para v-lo  
Telefone pessoal do Profº RODOLFO CORREA LIMA (21) 99628-6385
(SOMENTE LIGAR EM CASO DE EXTREMA NECESSIDADE)

Acesse o CURRÍCULO






PERGUNTAS MAIS COMUNS SOBRE ACUPUNTURA

Ambulatorio1.O que é acupuntura?

RESPOSTA: A acupuntura é uma técnica de tratamento que consiste no estímulo de pontos determinados da superfície da pele. Podem ser utilizados neste processo agulhas, ventosas, massagens, e até o calor proveniente da queima da moxa, preparada à partir da erva artemísia (moxabustão).

2.Quando e onde surgiu?

RESPOSTA: Possivelmente antes da era cristã, na China. Para alguns historiadores, as agulhas de acupuntura seriam o resultado da evolução das lancetas usadas para perfurar bolhas ou pústulas. Para outros, a prática da acupuntura teria se iniciado a partir da experiência corriqueira de massagearmos o local dolorido para fazer passar a dor. De qualquer maneira, as evidências arqueológicas não nos permitem ter certeza quanto ao processo de formação do corpo de conhecimentos da acupuntura. Da China, ela se espalhou por vários países da Ásia, adquirindo características peculiares à cultura da região onde se estabelecia. No Japão, por exemplo, as agulhas são mais finas, se dá mais atenção à palpação do abdomen, mas os princípios básicos de diagnóstico e tratamento são sempre os mesmos.

3.Para que serve?

RESPOSTA: Além dos casos de dor, vários desequilíbrios energéticos funcionais podem ser tratados pela acupuntura. Dentro da concepção chinesa, a doença é uma manifestação de desequilíbrio energético, e a acupuntura seria uma forma de readquirir a harmonia perdida. Entre os desequilíbrios energéticos tratáveis pela acupuntura estão: dores em geral, especialmente do aparelho músculo-esquelético, gastrite, estresse, distúrbios hormonais, insônia, asma, distúrbios menstruais, paralisia facial, sinusite, incontinência urinária. Para saber se a acupuntura é adequada para o seu caso específico, pergunte ao seu acupunturista.

4.Posso misturar outros tratamentos com a acupuntura?

RESPOSTA: Não é proibido associar a acupuntura a outros tratamentos. Fisioterapia, remédios alopáticos, psicoterapia, homeopatia, geralmente são beneficiados pela associação com a acupuntura, ocorrendo desde a aceleração e a facilitação de processos terapêuticos até a redução das doses dos remédios utilizados.

5.A acupuntura dói?

RESPOSTA: Não deve. Eventualmente podemos acertar um nervo superficial ou um ponto mais sensível da pele, causando dor. Neste caso, deve-se informar ao Acupunturista, que corrigirá a inserção da agulha. Tratamento doloroso é quase sempre relacionado a um mau profissional.

6.Há sangramento?

RESPOSTA: Eventualmente um vaso sanguíneo pode ser atingido. Nas mãos de um Acupunturista experiente a acupuntura é isenta de riscos, logo tais sangramentos e hematomas resultantes não devem ser motivo de preocupação, pois são superficiais e ocorrem raramente.

7.Quais os efeitos colaterais da acupuntura?

RESPOSTA: Alguns clientes podem se sentir sonolentos e relaxados após a sessão. Em certos casos pode haver a piora dos sintomas, que geralmente é seguida pela melhoria da condição do cliente. Pontos muito sensíveis podem se tornar dolorosos se manipulados em excesso, porém a dor resultante tende a melhorar com o passar do tempo.

8.A acupuntura pode transmitir doenças?

RESPOSTA: A acupuntura é um método invasivo e, como tal, devem-se seguir as regras básicas de esterilização. Usando-se material esterilizado não há risco algum. Hoje temos agulhas descartáveis disponíveis, tornando mais prático e seguro o tratamento.

9.Como é uma sessão de acupuntura?

RESPOSTA: Na primeira consulta busca-se estabelecer o diagnóstico, tanto na visão ocidental quanto na visão própria da acupuntura. Os pontos são selecionados de acordo com o diagnóstico. Após a limpeza da pele com álcool a 75º, as agulhas descartáveis são inseridas de forma indolor e deixadas no local, sendo retiradas depois de quinze minutos. Durante o período no qual as agulhas estão inseridas, recomenda-se ao cliente não se mover. As sessões posteriores são aproximadamente iguais.

10.Qual a preparação necessária antes, e quais os cuidados após uma sessão?

RESPOSTA: Pede-se ao cliente que não se alimente imediatamente antes da sessão, que esteja o mais relaxado possível, e que não se banhe após a sessão de acupuntura.

11.As agulhas podem permanecer na pele após a sessão?

RESPOSTA: Sim. Em alguns casos, deixa-se uma agulha pequena coberta com esparadrapo no período entre uma sessão e outra, para que haja estímulo do ponto durante todo este tempo. A agulha de demora, como é chamada, pode ser molhada, recomendando-se que seja retirada ao primeiro sinal de incômodo.

12.Qual a frequência do tratamento?

RESPOSTA: Usualmente a frequência é de uma vez por semana, porém em casos agudos sessões diárias podem ser necessárias. A duração do tratamento é dependente do tempo do desequilíbrio energético: quanto mais recente, mais rápido o resultado. Alguns desequilíbrios respondem mais rapidamente que outros. Como exemplo, dores lombares de origem músculo-ligamentar com menos de seis meses de duração exigem, em média, cinco sessões até o seu controle.

13.Quando posso interromper o tratamento?

RESPOSTA: Geralmente a alta acontece na ausência dos sintomas que levaram o cliente ao consultório. Em princípio sessões de manutenção não são necessárias, mas o cliente deve retomar o tratamento se notar que os sintomas estão reaparecendo. Neste caso, quanto mais cedo, mais rápido o resultado.

14.Como a acupuntura age? É somente um analgésico?

RESPOSTA: O mecanismo de ação da acupuntura ainda não foi completamente elucidado. Sabe-se que o estímulo dos pontos leva à produção de substâncias que teriam ação sobre receptores do sistema nervoso (neurotransmissores e neuromediadores), e que o resultado final seria a normalização das funções alteradas. A acupuntura teria também ação anti-inflamatória por estimular a produção de corticóides pela glândula supra-renal. A acupuntura é mais que um analgésico, combatendo a dor através da resolução do processo inflamatório que a causa. Há similaridades entre os efeitos da acupuntura e os causados pela serotonina, que é um neuromediador produzido pelo nosso cérebro.


Conheça nossos projetos e nossos
Programas de Qualidade de Vida!
mande um e-mail para Este endereo de e-mail est sendo protegido de spam, voc precisa de Javascript habilitado para v-lo